Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

MPF ajuíza ação contra transporte escolar inseguro na Paraíba

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação civil pública com pedido de liminar contra a União, o estado da Paraíba e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), para eliminar o transporte escolar público inseguro no estado. A ação, ajuizada em 19 de novembro de 2010, é assinada pelo procurador da República Duciran Farena.

Na ação, o MPF pede que a Justiça Federal determine em liminar que o estado inspecione, por intermédio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB), no prazo de 100 dias contados da decisão, todos os veículos empregados no transporte escolar público na Paraíba, à exceção dos municípios de João Pessoa e Campina Grande.

Tal inspeção deve verificar a adequação do veículo às normas de trânsito, aplicando as penalidades previstas na legislação, até mesmo a de apreensão, caso constatado o uso de veículos inseguros ou inadequados para o transporte de pessoas, bem como realizando novas e periódicas inspeções. As medidas adotadas devem ser comprovadas em juízo também em 100 dias.

Pede-se ainda que a Justiça mande o estado substituir, até 31 de dezembro de 2011, todos os veículos de carga utilizados para transporte escolar estadual, por veículos fabricados para transporte de passageiros (automóveis, micro-ônibus ou vans). Deve ficar proibida, a partir desse prazo, a contratação de qualquer outro veículo de carga para transporte escolar pelo estado ou por escolas integrantes da rede estadual, devendo a comprovação das medidas ser feita em juízo até 31 de dezembro de 2011. O MPF pede a fixação de multa diária de R$ 1 mil, em razão de descumprimento dos prazos para inspeção e substituição de veículos.

O MPF requer também que o FNDE analise a prestação de contas dos recursos repassados no ano de 2010, rejeitando toda despesa realizada com a contratação de veículos de carga em que não houver demonstração específica e cabal da ocorrência das exceções previstas no artigo 16 da Resolução nº 14/2009, isto é, “intrafegabilidade das vias ou indisponibilidade de veículos próprios para o transporte de passageiros”.

Pede-se ainda que a Justiça proíba qualquer repasse de recursos federais para contratação de veículos de carga para transporte público escolar, que deve adequar-se ao previsto no Capítulo XIII do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), tudo no prazo máximo de 120 dias da concessão da liminar. Deve ser fixada multa diária de R$ 1 mil, em razão de descumprimento e as medidas adotadas precisam ser comprovadas em juízo no mesmo prazo. 

O MPF quer ainda que a Justiça determine que a União, através do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), se manifeste sobre a aplicação da Resolução nº 82/98 (que disciplina transporte de passageiros em veículos de carga), ao transporte escolar, editando, em qualquer caso, resolução específica que discipline os requisitos aplicáveis ao transporte escolar em área rural. A medida deve ser realizada em 120 dias, a serem contados da concessão da liminar, sob pena de multa diária no valor de R$ 1 mil por descumprimento.

Outros pedidos – No julgamento definitivo da questão (mérito da ação), o MPF pede que a Justiça obrigue o estado a oferecer regularmente transporte de estudantes nas unidades da rede estadual, e que o Detran-PB realize vistoria periódica nos veículos e ofereça cursos específicos a todos os condutores de transporte escolar, em conformidade com a Resolução nº 168/2004 do Contran.

Além disso, pede-se que se inclua nos convênios de repasse das verbas do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate), ou qualquer outro instrumento que venha a celebrar com os municípios ou mesmo com unidades escolares públicas, integrantes ou não da rede estadual, a exigência de que os veículos sejam inspecionados pelo Detran-PB, a determinação de que os condutores sejam legalmente habilitados para dirigir transporte escolar; o compromisso de rescisão do contrato do proprietário de veículo que for identificado descumprindo as normas do CTB; e a proibição do uso de contratação de veículos de carga ou quaisquer outros que não atendam os requisitos do Capítulo XIII do CTB, prevendo penalidades específicas para o descumprimento.

Do FNDE, requer-se que seja um pré-requisito para a transferência de auxílio financeiro federal, a obrigação de não utilizar veículos de carga para transporte escolar. Já a União (Denatran/ Contran) deve definir regras para o transporte seguro e adequado de escolares em áreas rurais, proibindo definitivamente o transporte de estudantes em veículos de carga.

Além disso, em razão da tolerância administrativa em expor estudantes a uma situação de risco durante o transporte para a escolar, o MPF pede a fixação de indenização por danos morais. Tal valor deve ser determinado pela Justiça e revertido para o Fundo de Bens Lesados, previsto no artigo 13 da Lei da Ação Civil Pública.

Sobre o caso – As investigações do caso foram realizas por meio do Procedimento Administrativo nº 1.24.000.000270/2006-27, instaurado pela Procuradoria da República na Paraíba, através de representação de deputado estadual. Em outubro de 2006, o MPF propôs termo de ajustamento de conduta com um cronograma de ações para eliminar o transporte de estudantes em veículos de carga. No entanto, o acordo não foi assinado porque as autoridades consideraram que ele inviabilizaria o transporte de estudantes, em virtude da péssima qualidade das estradas e escassez de recursos.

Em novembro de 2006, discutiu-se a aplicação da resolução 82/98 do Contran, em razão da não previsão de transporte de alunos em veículos de cargas pelo CTB. Naquela ocasião, o procurador da República Duciran Farena explicou que ainda que fosse possível admitir a aplicação da mencionada resolução, a realidade evidenciava que nem essa era cumprida, já que vários veículos utilizados para transporte escolar não têm banco fixo, são descobertos e transportam estudantes em pé.

Ficou então acordado que o Detran e o Departamento de Estradas e Rodagens (DER-PB) realizariam vistorias nos municípios e encaminhariam ao MPF relatório das irregularidades detectadas. Além disso, o FNDE se manifestaria sobre a possibilidade de aplicação da resolução nº 82/98 do Contran, sobre veículos adaptados para realizar transporte escolar. As investigações e diligências prosseguiram com reiteradas notificações aos órgãos envolvidos, tendo sido apresentadas apenas desculpas e pedidos de dilação de prazo ao MPF, sem qualquer posição ou providência concreta.

Para o MPF, é preciso que seja restaurado o direito mais básico da infância rural, ou seja, o direito de ser transportado com segurança à escola. “É evidente que essa situação, altamente discriminatória contra a parcela mais vulnerável da nossa população – as crianças e adolescentes estudantes do meio rural, submetidas a risco cotidiano de vida, transportadas como carga em veículos inapropriados, como se tratasse de vidas sem importância – precisa acabar”, argumenta Duciran Farena.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

f6e0316c-7fcf-455c-97a6-45997afb091b

Relatório de Efraim à PEC que criminaliza o porte de drogas é aprovado no Senado

camaradiasdavila

Vereadores de município baiano aprovam reajuste de R$ 0,46 para professores

chuvasjp (2)

João Pessoa tem média de 29 mm de chuvas em 24 horas, mas sem ocorrências graves

alpbabre (1)

ALPB garante acompanhantes para mulheres em procedimentos médicos com sedação

odonecico

Sancionada Lei que proíbe fogos de artifício com estampido em João Pessoa

1713220734661dac7e30ef1_1713220734_3x2_lg

Unimed manda cancelar plano de saúde de idosa de 102 anos

alph-ufpb (1)

Caso Alph: Ex-namorada é julgada pela morte de estudante da UFPB

Unimed JP 1

Unimed JP abre seleção para médicos atuarem em unidade de serviço domiciliar

Gervásio Maia, deputadoo

Projeto de Gervásio quer garantir fornecimento gratuito de repelentes para inscritos no CadÚnico

Vitor Hugo e Wallber Virgolino

Vitor Hugo diz que se Wallber entrar em bairro de Cabedelo será metralhado; deputado reage