Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

MP vai ingressar com ação civil contra Prefeitura de João Pessoa

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Ministério Público da Paraíba, através da Promotoria de Defesa dos Direitos do Cidadão, vai ingressar com uma ação civil pública contra a Prefeitura de João Pessoa por não regulamentar a Lei Municipal 10.419/04. De acordo com a lei que foi sancionada há quase cinco anos, os estabelecimentos e locais públicos e privados que têm grande concentração de pessoas devem ter pessoal treinado em suporte básico de vida e devem adquirir, no mínimo, um desfibrilador automático externo. O objetivo é equipar esses locais com recursos técnicos e humanos para socorrer pessoas que tiverem um ataque cardíaco.

Segundo o promotor de Justiça Valberto Lira, a prefeitura não cumpriu acordo firmado com o MP, em audiência realizada em abril, de apresentar a regulamentação em um prazo de 60 dias. “O acordo não foi cumprido. Determinei a notificação do procurador assegurando novo prazo de dez dias e mais uma vez nenhuma resposta foi dada ao Ministério Público”, acrescentou.

O promotor informou que as medidas tomadas pelo MP para fazer com que a lei entre, de fato, em vigor, já são de longa data que foi instaurado. “Em outubro do ano passado, instaurei um procedimento administrativo para apurar o descumprimento da lei e pedi informações à prefeitura. Em janeiro deste ano, o procurador-geral do município informou que a lei não estava regulamentada”, afirmou Valberto Lira.

A lei sancionada em 30 de dezembro de 2004 considera como locais de grande circulação de pessoas os terminais rodoviário e urbano de transporte coletivo; shoppings centers; hipermercados; estádios de futebol e ginásios com capacidade para mais de mil pessoas; casas de espetáculos; salas de conferência e centros de eventos e exposições que tenham mais de mil pessoas; clubes sociais e esportivos ou academias de ginástica com concentração ou circulação de mais de mil pessoas por dia e as instituições de ensino superior localizadas na Capital.

De acordo com a lei, cabe à Secretaria Municipal de Saúde supervisionar, avaliar e acompanhar o treinamento da equipe de funcionários que ficará responsável em socorrer pessoas que venham a sofrer um ataque cardíaco nos locais públicos e privados de grande circulação de pessoas. A prefeitura, por sua vez, deverá definir como vai fiscalizar os estabelecimentos e quais serão as sanções decorrentes do descumprimento da legislação.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

joaobelga

Paraíba terá Centro de Distribuição e fábrica de esquadrias de PVC de empresa da Bélgica

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto; veja

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG