MP diz que grupo de Ricardo Coutinho espionava investigadores da Calvário

Em um pedido de renovação da prisão temporária do grupo de Ricardo Coutinho feito à Justiça da Paraíba, o Ministério Público acusa pessoas ligadas ao ex-governador do estado de estar à frente de um esquema de “arapongagem” contra os investigadores da Operação Calvário – que tem o político como principal alvo.

No documento, o MP paraibano também afirma que o grupo de Coutinho teria usado policiais civis e militares para escoltar dinheiro e ameaçar quem atrapalhasse os interesses dos investigados.

“O uso das estruturas militares do estado por parte da Orcrim, infelizmente, tem sido constatado ao longo do presente esforço investigativo, tais como o uso da casa militar para não só escoltar valores, mas também para infundir receio em que se contrapor aos interesses destas estruturas criminosas, fatos que serão melhor esclarecidos com o aprofundamento das investigações, ainda em curso”, apontam.

Segundo a petição, os membros do Ministério Público responsáveis pela investigação vinham sendo monitorados de perto pelo irmão do ex-governador, Coriolano Coutinho. E que o grupo adotava medidas de contra inteligência “há bastante tempo”.

“A predita circunstancia aponta para o acionamento de meios para mapeamento dos membros do Ministério Público responsáveis pela presente investigação, o que é gravíssimo”, diz o MP no documento.

De acordo com os procuradores, as investigações sugerem o uso de “uma verdadeira milícia” por existirem “razoáveis indícios do uso de policiais civis e militares pela organização criminosa” para a elaboração de dossiês e atividades de “arapongagem”.

 

 

Veja

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.