MP convoca audiência para discutir corte de energia na comunidade São Luiz

Uma audiência foi agendada para hoje, às 15h30, na Curadoria do Cidadão para discutir soluções para a religação da energia elétrica na comunidade São Luiz, no Bessa,  que foi cortada na última segunda-feira pela Energisa. Participam da reunião o Curador do Cidadão, Valberto Lira, representantes dos moradores, da Energisa, da prefeitura, da Sudema e o vereador Ubiratan Pereira (Bira), que solicitou a reunião.  

O corte da energia deixou cerca de 500 pessoas na escuridão a 48h. Nesta manhã, os moradores realizaram um protesto em frente a Energisa cobrando a regularização da energia na localidade.    O vereador Bira denunciou nesta terça-feira (11), na Câmara Municipal, uma atitude arbitrária da Energisa ao desligar o fornecimento de energia na Comunidade São Luiz sem prévia comunicação. De acordo com o vereador, a única explicação dada pela concessionária para efetuar o corte foi de que ele teria sido determinado porque a área não está regularizada junto à prefeitura.

A medida acabou prejudicando os moradores, inclusive alguns idosos que precisam utilizar aparelhos respiratórios. Do plenário, o vereador Bira informou que está encaminhando um requerimento para que a Energisa solucione o fornecimento de energia e tenha respeito aos moradores. “A empresa não pode tratar seres humanos como parte apenas de uma relação de mercado. Ela foi privatizada, mas os detentores de concessões devem ter zelo aos direitos dos cidadãos. As pessoas moram em áreas não legalizadas porque não têm opção por falta de iniciativa da companhia”, completou.

O líder comunitário Dema Macêdo está pedindo providências a Energiza e os órgão públicos para regularizar a situação, para que os moradores e comerciantes do local não continuem prejudicados. A dona de casa Maria Rosilene admitiu que os moradores possuem ligações clandestinas, mas querem que a Energisa regularize a situação. “São famílias que moram nesse local e querem pagar pela energia como qualquer cidadão”, desabafou.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.