Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Moro é o alvo da investida contra a Lava-Jato, dizem procuradores

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Não são apenas as informações sigilosas, a lista de investigados e a legalidade de certos procedimentos que explicam a queda de braço entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba. O pano de fundo desse embate é a especulada candidatura presidencial do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro, que desponta hoje como o principal adversário de Jair Bolsonaro em 2022. Sob a condição de não terem seus nomes revelados, integrantes da força-tarefa dizem que a PGR trabalha para manchar a imagem da operação e de seu símbolo maior, com o objetivo de facilitar a reeleição do presidente. O órgão — comandado por Augusto Aras, indicado ao cargo por Bolsonaro — estaria planejando até mesmo uma busca e apreensão no escritório da advogada Rosangela Moro, esposa do ex-ministro, a fim de desgastar o casal diante da opinião pública. Foi por isso, acrescentam os procuradores de Curitiba, que a PGR teria retomado as negociações para um acordo de delação premiada com o operador financeiro Rodrigo Tacla Duran.

Atualmente morando na Espanha, Tacla Duran, que operou quase 2 bilhões de reais de investigados no petrolão, já teve uma proposta de colaboração rejeitada pela equipe coordenada pelo procurador Deltan Dallagnol, sob a alegação de que burlou provas e fraudou e-mails com autoridades para tentar o desbloqueio de seus bens. Há tempos o caso parecia encerrado, mas a PGR reabriu a conversa com o operador financeiro, recorrendo a uma estratégia antes condenada pelo próprio Aras: a de ofertar ao candidato a delator que entregue uma autoridade. Qual autoridade? O nome não está posto oficialmente, mas nos bastidores todos sabem que se trata de Moro. A esperança de enredar o ex-ministro decorre do fato de Tacla Duran já ter dito que pagou ao advogado Carlos Zucolotto, amigo do ex-juiz, para obter vantagens em seu acordo com a Lava-Jato, rejeitado em Curitiba. Zucolotto foi sócio de Rosangela Moro. Essa sociedade entre os dois seria usada pela PGR para pedir à Justiça o tal mandado de busca e apreensão no escritório de Rosangela.

Numa tentativa de dar veracidade à motivação política da PGR, integrantes da força-tarefa dizem que a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, braço direito de Aras, fez a seguinte pergunta ao visitar a equipe de Dallagnol em Curitiba: “Você acha que o Moro é viável em 2022?”. Naquele dia, Lindôra pediu acesso às informações, inclusive sigilosas, mantidas pelo grupo, que se recusou a atendê-la. Uma liminar do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou recentemente o compartilhamento dos dados. Moro pediu demissão do cargo de ministro da Justiça acusando Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal. No mesmo dia, a PGR solicitou a abertura de inquérito para apurar a veracidade da acusação, mas também para analisar uma suposta denunciação caluniosa por parte do ex-ministro. A apuração está em curso. Até agora, Moro não admite publicamente o desejo de disputar a Presidência. Mesmo assim, é cortejado por diferentes partidos.

Segundo levantamento realizado pela Quaest Consultoria em junho, o ex-juiz está em segundo lugar na corrida presidencial, com 19%, bem próximo do líder, Bolsonaro, que marcou 22%. Na terceira e quarta colocações aparecem Fernando Haddad (PT), com 13%, e Ciro Gomes (PDT), com 12%. A competitividade de Moro convenceu auxiliares do presidente a tentar neutralizá-lo desde já. A PGR, de acordo com o relato de integrantes da força-tarefa em Curitiba, estaria na linha de frente dessa cruzada. Aras nega que a Procuradoria aja por motivação política. Ele, isso é fato, sempre teve ressalvas à atuação dos procuradores na operação. “O que aconteceu com a República de Curitiba foi que os homens acharam que podiam superar as leis e as regras do jogo”, disse durante a sua bem-sucedida campanha para o cargo de procurador-geral. As queixas contra Moro não eram muito diferentes. Aras acreditava que o então ministro trabalhava contra sua indicação e, por isso, recusou-se a recebê-lo para uma reunião, mesmo quando a sua escolha para a chefia da PGR já estava consolidada.

Um processo sigiloso apresentado ao STF para apurar a possibilidade de a força-tarefa em Curitiba ter investigado ilegalmente autoridades com prerrogativa de foro deu a motivação jurídica que faltava para revisitar o trabalho da Lava-Jato. Recentemente, ela foi acusada de conduzir (sem autorização) investigações sobre os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, omitindo os sobrenomes pelos quais são mais conhecidos. “Quando esse processo chegou ao STF, colocou o problema na rua e todos em Curitiba ficaram sob suspeita”, relatou a VEJA um integrante da equipe do PGR. Uma das forças mais potentes da República, o Ministério Público nunca esteve tão dividido. Trata-se de uma guerra aberta, com um olho nos poderes de hoje (informações, privilégios e cargos) e o outro em 2022.

Veja

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

edsonfachin

Ministro do STF decide arquivar ação contra reeleição antecipada de Adriano Galdino

Sodiê

Governo da Paraíba dispensa emissão de documentos fiscais em mercadorias doadas ao RS

lovina

MPF intervém e Prefeitura de Cabedelo demole obra ilegal de contenção marítima do Lovina

chuvasrs (1)

Com chuva forte, água sobe pelos bueiros e volta a inundar ruas em Porto Alegre

1af1367b-89e5-4e87-ae7e-586266147ed4

Paraíba participa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite a partir de segunda

tourinho1 (1)

APCA homenageia imprensa da Paraíba com a Comenda Acadêmico Mário Tourinho

Poste, batida

Paraíba registra 242 colisões em postes este ano; João Pessoa e Campina lideram

Lixão a céu aberto

Prefeitura de Catolé do Rocha deve pagar indenização por lixão a céu aberto

Luciano Cartaxo 3

Luciano Cartaxo tem alta e deixa hospital em João Pessoa

PF operação

Operação da PF mira empresas clandestinas de segurança privada