Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Ministro do STF suspende lei Ficha Limpa para deputada de Goiás

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Dias Toffoli suspendeu a aplicação da lei Ficha Limpa à deputada estadual Isaura Lemos (PDT). A nova lei impede a candidatura de políticos que foram condenados por um colegiado (quando há mais de um juiz). Este é o segundo caso em que a Suprema Corte beneficia um político com "ficha suja".

A parlamentar, que tentará se eleger à Câmara Federal, foi condenada pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Goiânia pelo crime de improbidade administrativa. Ela teria se apropriado dos vencimentos dos salários de funcionários comissionados que trabalharam em seu gabinete.

"Em sendo assim, não há de ser falar em apreciação específica da inelegibilidade, mas da suspensão dos efeitos da decisão sobre a qual incide o recurso extraordinário [decisão do TJ-GO]", afirmou o ministro.

O relator ressaltou que a liminar deferida apenas reconhece, indiretamente, que a decisão do TJ-GO, que validou a sentença do juiz de primeiro grau (decisão monocrática), "não poderá ser utilizada para os fins da declaração de incompatibilidade da situação jurídica da requerente com o exercício do ius honorum (direito de postular e ser eleito)".

Supremo

Ontem, o ministro do STF Gilmar Mendes suspendeu a aplicação da lei para o senador Heráclito Fortes (DEM-PI). O parlamentar, que tentará a reeleição, foi condenado pelo TJ do Piauí por conduta lesiva ao patrimônio público.

Após a sua condenação, Fortes entrou com um recurso suspensivo no STF. A ação começou a ser julgada em novembro do ano passado pela 2ª Turma, mas foi interrompida por pedido de vista do ministro Cezar Peluso.

Gilmar Mendes justificou a suspensão da Ficha Limpa ao dizer que o recurso não poderá mais ser julgado antes do prazo de registro das candidaturas. A próxima sessão da 2ª Turma será apenas em agosto.

Ficha Limpa

De acordo com a lei, aprovada pelo Congresso e promulgada no último dia 4 pelo presidente Lula, fica inelegível por oito anos, a partir da punição, o político condenado por crimes eleitorais (compra de votos, fraude, falsificação de documento público), lavagem e ocultação de bens, improbidade administrativa, entre outros.

Também ficam inelegíveis todos aqueles que renunciaram para escapar da cassação e os cassados pela Justiça Eleitoral por irregularidades cometidas nas eleições de 2006.

O projeto é resultado de iniciativa popular que obteve 1,6 milhão de assinaturas em um abaixo-assinado. O documento foi protocolado em setembro de 2009 na Câmara.

 

Folha Online

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Após denunciar falsificação de documentos, Pablo Honorato é demitido da UFPB por Valdiney

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

IMG-20240621-WA0035

Jornalista lança livro sobre humor na política em Campina Grande

ffraz_abr_20180922_1659

João Pessoa é a 1ª Capital do Nordeste no ranking de vacinação contra Poliomielite

01

Cofeci concede Medalha JK ao presidente do Creci-PB e ao ex-presidente do Creci-PR

concursos-publicos

Concurso da prefeitura de Piancó abre inscrições em mais de 80 vagas

WhatsApp-Image-2024-06-21-at-7.38.18-AM

Operação da Lei Seca é intensificada durante festejos juninos

WhatsApp Image 2024-06-21 at 14.25.13

Cachaça Matuta celebra o São João 2024 com lata comemorativa

feriados_sao_joao1

MPPB funcionará em regime de plantão durante São João, na segunda

aaaa

Dinho Dowsley lidera disputa para vereador em João Pessoa

Detran-pb 5

Detran-PB promove novo leilão com 300 veículos nos dias 1 e 2 de julho

Waldonys no seis e meia

Waldonys faz show hoje no São João de João Pessoa, no Parque Solon de Lucena