Milanez nega adesão a Veneziano: Quando deixar Ricardo, eu aviso

Cláudia Carvalho

O encontro do vereador Fernando Milanez (PMDB) com o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), no último domingo, no Restaurante Bananal, foi explicado pelo parlamentar como uma casualidade. Milanez comentou hoje o assunto e chegou a demonstrar irritação com as indagações da imprensa a respeito do significado político desse encontro. Ao classificar as visitas de vereadores campinenses e pessoenses aos prefeitos das duas cidades de infantil, Milanez negou que tenha viajado à Rainha da Borborema para "aderir" à postulação de Veneziano ao Governo da Paraíba:

"Fui a Campina Grande a convite do jornalista Juarez Amaral para participar do programa de rádio dele. Depois, fomos ao Bananal para tomar um café da manhã. O prefeito Veneziano passou pelo local e parou para nos cumprimentar. Não houve mais que isso. Eu jogo às claras. Não posso jogas pelas costas. Quando eu não estiver mais na bancada de Ricardo Coutinho, eu aviso. Não sou de fazer joguete", salientou.

Para Milanez, a declaração dada pelo governador José Maranhão (PMDB) admitindo que Veneziano pode ser candidato do grupo não exclui Ricardo Coutinho (PSB) de sua chapa: "O que Maranhão diz é que o processo não pode ser açodado. Quando ele fala sobre Veneziano, não exclui Ricardo como hipótese concreta. Ele já havia admitido o nome de Ricardo em entrevista a um jornal paraibano [O Norte]. Maranhão tem a experiência de um grande homem público e sabe que deve concorrer quem estiver melhor nas pesquisas", disse, descartando que haja estremecimento das relações entre o governador e o prefeito de João Pessoa:

"O vínculo entre José Maranhão e Ricardo Coutinho não foi rompido. Eu nunca ouvi nem um nem outro falar sobre isso", resumiu.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.