Marina prospecta primeiro lugar na ida para o segundo turno

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, disse na noite deste sábado (13), em João Pessoa (PB), que irá para o segundo turno em primeiro lugar no próximo dia 5.
 
A pesquisa Datafolha finalizada nesta quarta-feira (10) mostrou um empate técnico entre Dilma Rousseff (PT) e a ex-senadora na disputa pelo Planalto. Na simulação de primeiro turno, Dilma tem 36% das intenções de voto contra 33% de Marina. A margem de erro é de dois pontos percentuais.
 
"No dia 5 de outubro, quando for divulgada a pesquisa boca de urna, vamos mostrar que iremos passar para o segundo turno em primeiro lugar, e que o povo brasileiro quer mudanças", disse Marina, em comício no Mercado Público de Mangabeira, o maior da capital paraibana.
 
A ex-ministra também rebateu Dilma e o senador Aécio Neves, candidato do PSDB, que disseram que ela está se fazendo de vítima ao reclamar dos ataques que vem recebendo na campanha. Ela afirmou que os adversários estão fazendo uma política "perversa".
 
"Eles estão me agredindo muito e, quando eu peço para eles pararem com a mentira e a calúnia, dizem que eu estou me fazendo de vítima. Olhem como a política ficou perversa. Você tem de ser caluniado, apunhalado e ainda ficar calado e sorrir agradecendo. Filha de pobre, negra e evangélica é para ser desrespeitada, tratada com preconceito. Estão disseminando uma cultura de ódio no Brasil", comentou.
 
Houve gritos de aprovação de parte da plateia quando Marina disse ser evangélica.
 
Medo de Avião
Antes do comício, a candidata visitou um hospital filantrópico de João Pessoa, onde lembrou os 30 dias da morte de Eduardo Campos, completados neste sábado. Contou que ele dizia ser "quase médico" e brincava com seu medo de andar de avião. O pessebista morreu em um acidente aéreo em Santos (SP), no dia 13 de agosto.
 
"[Visitar um hospital um mês depois da morte de Campos] talvez seja a melhor forma de homenagear sua memória, [ele] que tanto gostava de andar de branco. Que dizia para mim que ele era quase médico porque era de uma família de médicos", afirmou Marina.
 
"E nós brincávamos dentro do avião. Ele dizia que não receitava remédios para os meus medos de voar porque era charlatanismo médico", disse.
 
Aliança com o PT
Marina fez campanha ao lado do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), candidato à reeleição em uma coligação que inclui o PT. Apesar da disputa acirrada que vem travando com Dilma, a candidata disse não ver contradição na participação da sigla na aliança local e repetiu o discurso de que pretende governar "com os melhores" de todos os partidos.

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.