Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Marílson brilha, vence a São Silvestre e quebra a hegemonia dos quenianos

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Nos últimos 400 metros, Marílson Gomes dos Santos mal conseguia olhar para frente. Equilibrava as passadas virando-se para trás, como se não acreditasse que não havia ninguém no retrovisor. Era verdade. Após três anos, a hegemonia queniana na São Silvestre está quebrada. Sob intensa vibração da torcida na Avenida Paulista, Marílson cruzou a linha de chegada nesta sexta-feira… e parou. Curvou o corpo para a frente. Cansado, mas realizado. Foi a terceira vitória dele na prova e a primeira do Brasil desde 2006, quando Franck Caldeira chegou na frente. Festa verde-amarela no último dia do ano.

Marílson, que já tinha vencido em 2003 e 2005, completou a prova desta sexta em 44m07, tornando-se o maior vencedor brasileiro da prova. Atrás dele vieram os quenianos Barnabas Kiplagat (44m49s) e James Kipsang (45m15s). O brasileiro Giovani dos Santos terminou em 45m34s..Agora o Brasil tem 11 títulos da São Silvestre, contra 12 do Quênia.

– Eu achava que seria uma corrida decidida só no fim. Melhor para mim que não foi assim – vibrou Marílson, ainda ofegante, dedicando a vitória ao filho que vai nascer em fevereiro.

O tempo de Marilson não quebra o recorde da prova (do queniano Paul Tergat, 43m12s, em 1995), mas é melhor que as marcas do brasileiro quando venceu em 2003 (43m50s) e 2005 (44m22s). Após a vitória de Caldeira em 2006, o Quênia dominou com Robert Cheruiyot (2007) e James Kipsang (2008 e 2009).

A corrida – A festa na Avenida Paulista reuniu mais de 21 mil inscritos nesta sexta. Sob temperatura de 24 graus, a largada masculina viu o coelho Eder Uilliam da Silva puxar o pelotão da frente. Israel dos Anjos chegou a liderar a prova no início, mas logo perdeu a ponta para o marroquino Mohammed El Hachimi.

Bem preparado, Marílson ultrapassou o adversário no elevado Costa e Silva. Barnabas Kiplagat, que já tinha vencido a Volta da Pampulha, assumiu a segunda colocação, mas não chegou a ameaçar o brasileiro. Marílson foi abrindo vantagem e, na parte final do percurso, já olhava para trás e conferia a ampla vantagem que tinha para o vice-líder. Ao cruzar a linha de chegada, o brasileiro mostrou três dedos da mão, em alusão ao tricampeonato. Só conseguiu dar mais alguns passos e curvou o corpo para frente. O cansaço tinha valido a pena.

G1

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

concurso-policial-penal

MPPB, secretarias e sindicato deliberam sobre concurso para policial penal

banheiro

Suspeito de estuprar mulher durante festa de São João em Santa Rita é preso nesta segunda

Dinheiro muito

Prazo para 16 ganhadores do Nota Cidadã resgatarem R$ 40 mil em prêmios termina dia 20

João Almeida, foto divulgação

Ex-vereador João Almeida está internado após cirurgia cardíaca

Programa Justiça 4.0

Programa Justiça 4.0 abre 35 vagas de trabalho

INSS na Paraíba

Servidores do INSS na Paraíba entram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira

Celso Batista e Luciano Cartaxo

PSOL decide hoje se mantém pré-candidatura de Celso Batista ou apoia Luciano Cartaxo

Cia Soltos no Espaço 1 (1)

Cia. Soltos no Espaço apresenta espetáculo “Nós do Avesso” em João Pessoa, Campina e Cabedelo

policia-civil-padrao-2

Investigado por assassinato em Santa Rita é preso em Goiás

Motociclista acidente roda

Motociclista morre e outra pessoa fica ferida em acidente na BR-104