Marcos nega desistência e tendência petista desmente unidade

Uma informação divulgada pela assessoria do secretário de Articulação Política da Prefeitura de João Pessoa, Rodrigo Soares caiu como uma bomba no fim da manhã de hoje em vários grupos petistas. Foi sobre uma suposta unificação do partido em torno da pré-candidatura de Nadja Palitot ao Governo, tendo como base a desistência, que teria ocorrido pela manhã, do também pré-candidato ao Governo, Marcos Henriques. Os atos teriam se dado, ainda segundo a assessoria de Rodrigo, durante reunião do diretório estadual do PT.
 
O Parlamentopb ouviu protestos do membro do diretório estadual, José Ivonaldo, que integra a tendência Movimento PT. Para ele, a informação foi "plantada" na imprensa para tumultuar o processo interno:
 
"Posso dizer sem dúvidas que não houve reunião do diretório estadual. Para ela acontecer, teria que ter sido convocada com antecedência e isso não houve. A reunião da executiva está marcada para o dia 29. Nós fomos chamados para uma reunião informal com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, à noite. Portanto, essa tal unificação não existe até porque não fomos consultados sobre isso e nossa queixa em relação à desobediência de ritos e prazos internos continua. Essa propalada unificação é balela, um completo equívoco!", disse Ivonaldo, que externou ser esse também o pensamento do deputado estadual Frei Anastácio.
 
Não desistiu – Já o presidente do Sindicato dos Bancários, Marcos Henrique, negou, em contato com o Parlamentopb que tenha desistido de disputar o Governo. Ele confirmou, contudo, que conversou com representantes da tendência Construindo um novo Brasil e ouviu apelos para retirar seu nome da corrida pré-eleitoral: "Estamos avaliando, mas antes de decidir, preciso ouvir os movimentos sindicais. Isso não vai ser resolvido assim. Parece que tem gente querendo atropelar o processo e forçar a barra", disse Marcos.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.