Maranhão volta a ser cotado para cargo federal no Governo de Dilma

Brasília – Para encerrar a crise política com o PMDB, o Palácio do Planalto sinalizou que vai aceitar vários nomes de uma lista entregue pelo partido semana passada, com indicações de derrotados nas últimas eleições para cargos de segundo e terceiro escalões do governo. Entre os nomes estão o do ex-ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, para a vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal (CEF). Contra a vontade do ex-presidente Lula, seu ex-ministro disputou o governo da Bahia com Jaques Wagner (PT) e perdeu.

Mas os negociadores do governo só tratarão do tema depois da , prevista para esta terça-feira.  Com isso, a situação do PMDB ainda é incerta. Tanto que nesta segunda-feira o líder do partido, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), amenizou o discurso:
 
As demandas já foram tratadas. Agora, vamos ver quais são os pedidos dos outros partidos. E o governo vai compatibilizar os espaços. Mas, a partir de agora, esse assunto está fora de pauta – disse Henrique Alves, evitando vincular os pleitos à votação do mínimo.
 
A determinação do Planalto é de acalmar o PMDB. Mesmo assim, alguns vetos foram mantidos. No caso de Furnas, o engenheiro Flávio Decat assume nesta terça-feira a presidência da estatal com a missão de fazer trocas nas diretorias sem agravar a votação do projeto de lei do salário mínimoinsatisfação com a bancada fluminense. Mas as indicações terão que passar pelo aval da presidente Dilma Rousseff, e os partidos funcionarão como uma espécie de "barriga de aluguel".
 
O Planalto reforçou que não aceitará indicações do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a estatal.
 
Entre os peemedebistas derrotados que estão em busca de um emprego, por enquanto, a situação mais delicada é a do ex-senador Hélio Costa (PMDB-MG). Ele trabalhava inicialmente para assumir o comando de Furnas e agora ficou sem opção.
 
Como antecipou a coluna Panorama Político, os principais nomes da lista dos segundo e terceiro escalões são de derrotados nas últimas eleições. Além de Geddel, a relação inclui o nome do ex-governador José Maranhão para a vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias da CEF. Ele não conseguiu a reeleição na Paraíba. Na cúpula do governo, apesar de o pedido ter sido encaminhado institucionalmente, não há a menor simpatia pela ida de Geddel para esses cargos.  
 
PMDB do Paraná também está na disputa

O Paraná também virou uma prioridade dos peemedebistas. O ex-deputado Rocha Loures (PMDB-PR) deve ser compensado com uma diretoria da Itaipu Binacional, depois que disputou o cargo de vice-governador. O ex-governador Orlando Pessuti também foi indicado para um cargo. Já o ex-governador Iris Resende (PMDB-GO) é cotado para assumir uma diretoria da Sudeco.


O Globo

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.