Maranhão tolera dissidência e diz que cargo federal não o entusiasma

O ex-governador José Maranhão (PMDB) deixou a sede do partido por volta das 14h30 de hoje com um discurso ameno em relação aos deputados dissidentes – Doda de Tião, Wilson Braga e Márcio Roberto, que anunciaram apoio ao governador Ricardo Coutinho (PSB). Maranhão tratou com tolerância o fato de Márcio, único rebelde a comparecer ao encontro com a executiva estadual, ter decidido dar sustentação ao governador na Assembleia Legislativa. Ele também anunciou a realização de encontros do partido em 13 municípios pólo do Estado.

– Com o objetivo de fortalecer a unidade do partido, vamos fazer regiões regionais em 13 cidades pólo do Estado. Nós ouvimos a exposição do deputado Márcio Roberto e ele deixou claro que não aderiu. Ele disse que tratou com o governador de assuntos administrativos e acrescentou que estaria disposto a aprovar os projetos que fossem bons para a Paraíba. O PMDB não tem nenhuma discordância em relação a isso. Em matérias políticas, ele estaria sempre votando de acordo com a bancada de oposição. A bancada de oposição vem tendo uma atuação muito interessante e teve várias vitórias, inclusive na formação das comissões técnicas. Nossa orientação é que a bancada siga a mesma linha que está adotando.

Wilson Braga e Doda de Tião não foram à reunião e Maranhão não emitiu opinião a respeito da situação de ambos.

Maranhão acrescentou que será o líder das oposições atendendo a um convite dos membros do seu partido:

– Vou cumprir todos os papéis que meu partido me reserva. O que eu ouvi agora foi o pedido para que continuasse no comando do partido.

Outro assunto abordado na entrevista foi a demora na nomeação do ex-governador, indicado pelo PMDB para um cargo no governo de Dilma Rousseff.

– Eu não estou muito preocupado com isso. Exercer um cargo para mim não é um fato crucial. Eu sempre trabalhei exercendo mandatos públicos e como empresário. De forma que isso não é uma questão de sobrevivência econômica ou pessoal. É claro fui honrado com uma indicação de meu partido e aguardo a decisão do governo. Na verdade, eu não estou entusiasmado por nenhum desses cargos. É isso que eu posso dizer.

Finalmente, Maranhão negou que vá orientar os deputados e o senador do PMDB a boicotarem a reunião prevista para acontecer na quinta-feira entre os deputados federais, senadores e o governador Ricardo Coutinho em Brasília:

– Uma reunião entre homens públicos é sempre salutar.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.