Maranhão lê pronunciamento, promete transição e não dá coletiva

O governador da Paraíba, José Maranhão (PMDB), não concedeu uma entrevista coletiva, como anunciado anteriormente por sua assessoria. No início da tarde de hoje, no Palácio da Redenção, ele leu um pronunciamento no qual tratou de sua trajetória política, prometeu efetivar a transição administrativa para o sucessor, Ricardo Coutinho (PSB) e falou sobre os investimentos atualmente em curso, que estimou em R$ 2,5 bilhões. Maranhão não tratou das condições financeiras do Estado e nem abordou a dúvida sobre o pagamento do 13º do funcionalismo estadual. O chefe do executivo saiu do Palácio sem responder às perguntas da imprensa, deixando o secretário da Controladoria Geral do Estado, Roosevelt Vita, para atender a imprensa.

Confira trechos do pronunciamento do governador José Maranhão:

"Conduzi toda minha vida com dedicação. Desde cedo me dediquei ao trabalho e à política. Abri mão da juventude, do sonho de ser engenheiro aeronáutico para seguir o direito. Aprendi que a política é uma grande força transformadora. Senti isso quando fui perseguido na ditadura militar (…). Nunca seremos lembrados por postura violenta ou arrogantes. Nosso povo tem natureza boa e seu governo deve ser espelho dessa qualidade. (…) Nossa história não termina aqui. Até o último dia de nosso governo vamos fazer valer cada momento que foi conquistado por todos que estiveram nesta caminhada e honrar a confiança do povo da Paraíba, ocupando um espaço que por direito é nosso e será utilizado para o bem de nossa gente até o último instante de 31 de dezembro (…). São muitas as ações que daremos sequência e torço para que nosso sucessor dê prosseguimento, evitando, como no período anterior, a descontinuidade administrativa que causou muitos prejuízos à Paraíba. Vamos garantir a transição administrativa, mantendo as conquistas da Paraíba, não penalizando o andamento das atividades do Estado, que deverão ser exercidas pelo atual governador, cujo mandato só expira no dia 31 de dezembro. Temos atualmente R$ 2,5 bilhões em investimentos".

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.