Major Fábio cobra pagamento de PEC 300 e admite greve da polícia

O deputado federal Major Fábio (DEM) cobrou mais uma vez hoje que o governador eleito da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), pague a PEC 300, sancionada pelo atual chefe do executivo, José Maranhão (PMDB), às vésperas do segundo turno. Segundo o parlamentar, a categoria da segurança pública não abre mão da implantação do benefício em seus contracheques. Ele demonstrou irritação com o aumento aprovados aos deputados e senadores e criticou o fato de os órgãos públicos não terem declarado o reajuste inconstitucional, como fez o Tribunal de Contas do Estado sobre a PEC 300 da Paraíba

– Não vi ninguém, além da imprensa, se levantar contra o aumento dos deputados. Os policiais estão aguardando o cumprimento e o pagamento da lei. O soldado não quer saber quem foi que sancionou. Isso não é coisa do outro mundo. Tem um ano e meio para ser pago. Eu não fui chamado para conversar com o governador, não falei com ele sobre isso. Não quero conversar com ele pra ser secretário ou deputado. Isso é natural e pode acontecer. Quero conversar para saber se ele vai pagar ou não porque se não for, infelizmente, os policiais têm que tomar uma providência e vão tomar. Os policiais cansaram de ser humilhados. Tem policial preso por causa de R$ 1 recebido na Operação Manzuá. E tem gente que está desviando milhões no Brasil e está solto. Não sou a favor, mas é preciso entender que os policiais paraibanos estão passando necessidade. Os deputados e juizes ganham bem para não se corromperem. Um policial ganha R$ 1 mil. Ele tem que dizer não ao suborno, mas se a gente olhar direitinho, esse salário é uma humilhação. Estamos aguardando o pagamento dos projetos de lei que foram aprovados pela Assembleia e sancionados pelo governador. Se isso não acontecer, a decepção vai ser grande na Paraíba.

As declarações foram dadas em entrevista concedida à Rádio CBN de João Pessoa.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.