Lula não se entrega e vai ficar no sindicato junto com militância

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou nesta sexta-feira, 6, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai permanecer no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, junto com a militância do partido.

Segundo a petista, ao permanecer no sindicato, mesmo após o fim do prazo dado pelo juiz Sérgio Moro para que ele se entregasse, não está descumprindo nenhuma ordem judicial. Ela ressaltou que decisão de Moro dava a opção a Lula, mas não o obrigava. “O sindicato é um local público”.

Gleisi disse que haverá amanhã, na sede do sindicato, às 9h30, uma missa em homenagem a Dona Marisa, mulher de Lula que faleceu no ano passado.

A petista disse ainda que Lula decidiu ficar porque ainda aguarda as manifestações da ONU e do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação a recursos que aguardam resultado.

Lula não é considerado foragido

Após o fim do prazo determinado pelo juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é considerado foragido. A assessoria de imprensa da Justiça Federal no Paraná esclareceu que Moro concedeu a oportunidade de ele se entregar à Polícia Fededal e, por isso, mesmo após as 17h, ele não é tratado como foragido da Justiça.

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Antônio Boudens, que se reuniu hoje (6) com o superintendente da Polícia Federal no Paraná, delegado Maurício Valeixo, explicou que Lula não é considerado foragido porque não há componentes de fuga. “A condição de foragido é específica. Tem que haver componentes de fuga, de rejeição de apresentação. Terminou o prazo para que ele se apresente voluntariamente. Como não aconteceu, o mandado será cumprido.”

Jornal do Brasil e Agência Brasil

Comentários