Lula ataca PSDB e diz que FHC é “tucano do bico grande”

Principal cabo eleitoral da presidenciável, Dilma Rousseff (PT), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recomendou ontem cuidado aos eleitores com a falsa sedução do PSDB. Numa referência indireta ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a quem chamou de "o tucano com bico grande", Lula afirmou que "tucano tem um bico grande e bonito para muita lábia, é só xaveco no ouvido da gente".

A declaração partiu em meio aos ataques ao candidato do PSDB ao governo de Goiás, senador Marconi Perillo, a quem o petista acusou de desvio de recursos e de mentir ao exibir em seu programa eleitoral trechos da Ferrovia Norte-Sul como um de seus feitos.

"Política a gente não pode fazer com ódio, com agressão, mas ninguém aguenta mentira. […] Ninguém pode aguentar mentira o tempo inteiro. […] Não tem nada pior do que um político mau caráter, alguém que não colocou um trilho na ferrovia dizer ele que fez a ferrovia", afirmou Lula durante comício ao lado de Dilma, no Jardim Curitiba, bairro da periferia de Goiânia.

Lula lembrou que faz aniversário no próximo dia 27 e pediu de presente a eleição de sua sucessora. Ele reforçou a estratégia de comparar sua gestão de FHC (1995-2002), lembrando que o tucano promoveu privatizações e não tinha um olhar social. "Não estamos votando num homem e mulher apenas. A gente está votando num projeto político, na definição do Brasil que a gente quer. Não é saber se o adversário é melhor que a Dilma ou ela melhor que ele. A questão não é essa. A gente não pode esquecer o Brasil da privatização, do FMI [Fundo Monetário Internacional], do desemprego, da desesperança, da falta de oportunidade".

O presidente justificou a escolha de Dilma dizendo que não estava preocupado com o tempo de filiação dela ao PT nem com a experiência dela.

Em seu discurso comemorando a criação de 14,7 milhões de empregos, Dilma voltou a acusar Serra de promover a política do ódio na campanha por medo de ser derrotado nas urnas. "Hoje criaram a campanha do ódio, tentando criar uma coisa que no Brasil nunca existiu. O Brasil sempre foi da tolerância, convivência. No Brasil, católicos, espíritas, evangélicos convivem de forma tranquila nas escolas. Não podemos deixar que nos transformem em um pais do ódio".

 

Folha Online

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.