Juventude Socialista divulga repúdio a Walter Brito Neto

As recentes declarações dadas pelo ex-deputado federal Walter Brito Neto (PRB) contra os homossexuais, criticando o projeto antihomofobia e a possibilidade de casais homoafetivos adotarem crianças geraram uma nota de repúdio emitida hoje pela Juventude Socialista Brasileira. No documento, os militantes lamentam o fato de que Brito Neto seja um jovem cujo mandato parlamentar foi cassado no ano passado por infidelidade partidária e também criticam os pontos de vista "ofensivos, preconceituosos e homofóbicos" do ex-parlamentar.

Confira a íntegra da nota:

A Juventude Socialista Brasileira (JSB-PB) vem através desta Carta de Repúdio rebater as declarações ofensivas, preconceituosas, homofóbicas e de extremo mau gosto do ex-deputado federal Walter Brito Neto acerca de temas relacionados à população LGBT.

O jovem em questão tornou-se o primeiro parlamentar federal brasileiro a ser cassado por infidelidade partidária, perdendo um mandato não conquistado através do voto direto, visto que era primeiro suplente. Este infeliz cidadão, recentemente, desrespeitou e feriu os princípios básicos do ser humano, proferindo declarações homofóbicas ao comemorar a não assinatura do decreto que cria o ‘Dia Nacional Contra a Homofobia’, 17 maio, pelo presidente em exercício, José Alencar. E foi ainda mais além com sua ridicularidade, disse que vai enviar uma carta de protesto contra a assinatura do decreto, que ficou a cargo do Presidente Lula (PT).

“Muitos homossexuais assassinados estavam em zonas criminais, a altas horas da madrugada, em ambientes de drogas e prostituição”, escreveu o ex-deputado cassado Walter Brito Neto em seu Twitter. Aproveitou ainda para menosprezar a capacidade de entendimento da juventude brasileira sobre sua própria sexualidade, afirmando que a revista Veja e outros veículos midiáticos estariam propagando e induzindo todos/as ao homossexualismo. Nesta quarta-feira, dia 26, o ex-deputado volta a afirmar nos meios de comunicação que “o movimento LGBT tem se organizado de forma ameaçadora e que projetos do interesse dos seus integrantes se configuram em grande risco para a sociedade brasileira”. Diante de tantas atrocidades verbalizadas, cabe-nos fazer algumas ponderações:
1º Está escrito na Constituição Federal Brasileira que “todos são iguais perante a lei". Lá não consta nenhuma ressalva sobre "heterossexuais sarados de olhos azuis, entre 18 e 35 anos, classe média-alta ou ricos.”;
 
2º De acordo com o  pensamento “humanitário” do Sr. WBN, há duas categorias de pessoas: as distintas, que não saem à noite em zonas perigosas e de prostituição, etc.; e as "promíscuas", que vivem em tais zonas e que, portanto, estão destinadas a morrer mesmo, por que não? Afinal, ao que parece, na lógica do ex-deputado cassado, são pessoas de segunda classe; um pensamento bastante similar a de um austríaco que levou o mundo à II Guerra Mundial, em certo Adolf Hitler;
 
3º "Não matarás"; "Amarás a teu próximo com a ti mesmo”. Não encontramos ressalvas ou exceções ao grupo de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros (LGBTTT) na Bíblia Sagrada, tão usada por grupos fundamentalistas para "matar e condenar ao fogo eterno essas pessoas";
 
4º Sr. Walter Brito Neto, se 01 (um) só gay tivesse morrido pelo simples fato de ser gay e ter uma inclinação sexual diversa da maioria, já seria um absurdo e uma total VIOLAÇÃO dos Direitos Humanos. Não importa se ele estivesse aqui, ali ou aí, ele é gente! E crimes de ódio devem ser combatidos neste democrático país chamado Brasil e em todas as nações do planeta;
 
5º Caro ex-deputado WBN, a juventude brasileira, cada vez mais participativa e consciente sobre os mais diversos assuntos, já demonstrou que jamais se deixará levar por “influência ideológica” de quem quer que seja. Nem sua, muito menos da revista Veja, que serve aos interesses das elites burguesas.
Diante dos fatos e toda repercussão negativa, cabe ao religioso Sr. Walter Brito Neto – que se diz representante dos evangélicos – ter o mínimo de decência; abandonar sua postura de “dono da verdade e da moral suprema”; buscar o caminho da tolerância e respeito às diversidades; reconhecer publicamente que errou e pedir desculpas a toda sociedade. Talvez assim, consiga refazer e continuar sua carreira política interrompida tão cedo, mediante cassação (por unanimidade) pela corte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após desrespeitar a legislação eleitoral vigente.

Para finalizar, deixamos um pensamento emblemático de um reverendo luterano: "Na Alemanha Nazista, vieram primeiro em busca dos comunistas, mas eu não disse nada, porque não era comunista. Depois, vieram em busca dos socialistas, mas eu não disse nada, porque não era socialista. Depois, vieram em busca dos sindicalistas, mas eu não disse nada, porque eu não era sindicalista. Então eles vieram em busca dos judeus e eu não falei nada, pois eu não era judeu. Então eles vieram em busca dos católicos, mas eu não disse nada, eu era protestante. Então… Eles vieram a minha procura, quando não havia sobrado ninguém para falar por mim.” (Martin Niemoller – pastor luterano, preso no campo de concentração de Dachau – de 1939 a 1945 – e libertado pelas tropas aliadas).
 
Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é…
Caetano Veloso

João Pessoa, 26 de maio de 2010.

Juventude Socialista Brasileira na Paraíba (JSB-PB)

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.