Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Jurisprudência do TRF abre espaço para aposentadoria de Souto Maior

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O desembargador Marcos Souto Maior já ingressou, por duas vezes, com pedido de aposentadoria voluntária junto ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB). Na primeira vez, em dezembro de 2008, chegou a ser aposentado, mas o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou a suspensão. Na segunda, em julho deste ano, a aposentadoria foi negada através de ato da presidência do órgão. Uma jurisprudência do Tribunal Regional Federal da 3ª Região pode garantir o direito de Marcos Souto Maior à aposentadoria. A informação é do advogado do magistrado, Walter Agra.

A jurisprudência se trata de decisão do desembargador federal Fábio Pietro, referente ao Processo 2002.03.00.014 647-5, em que mostra que o juiz Luiz Calisto de Bastos, da 1ª Vara de Campo Grande (MS), do TRF 3ª Região, aposentou-se voluntariamente, mesmo estando em disponibilidade, reforçando a tese da defesa de Souto Maior, de que o desembargador em disponibilidade não tem nenhum impedimento de se aposentar. “Inclusive, porque o desembargador preenche todos os pré-requisitos para pedir sua aposentadoria e não responde mais a nenhum processo administrativo”, defendeu o advogado.

Em um mandado de segurança, com pedido liminar, a defesa do desembargador ataca o ato n.º 49/2009 da Presidência do TJ que declarou a vacância de seu cargo e um despacho que negou a sua aposentadoria por ele estar em disponibilidade. Na jurisprudência levantada pela defesa na petição, o magistrado se aposentou voluntariamente mesmo estando em disponibilidade, que é o mesmo caso do desembargador Marcos Souto Maior. Segundo Walter Agra, o ato do presidente do Tribunal, desembargador Luiz Sílvio Ramalho, foi “ilegal” e “abusivo”, pois não houve o devido processo administrativo e nem foi apreciado pelo Tribunal Pleno.

Ano passado, o desembargador Marcos Souto Maior foi aposentado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba, através da portaria GAPRE n.º 2163/2008, mas considerada “indevida” pelo conselheiro Técio Lins e Silva, a aposentadoria foi revogada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), alegando a existência de processo administrativo disciplinar (n.º 5) contra o desembargador. De acordo com resolução do CNJ, o servidor que estiver respondendo a processo administrativo não pode se aposentar voluntariamente, porque pode receber a pena de demissão, e então não teria direito à aposentadoria. O processo administrativo contra Souto Maior resultou na pena de disponibilidade para Marcos Souto Maior, sendo arquivado o processo. Diante do arquivamento, Souto Maior pediu novamente a aposentadoria, que foi negada por despacho da Presidência do Tribunal. “Só que o desembargador Marcos Souto não teve a pena máxima, de cassação da aposentadoria ou demissão, foi só de disponibilidade, o que não impede que ele venha a se aposentar”, explicou Agra.

 

Jornal da Paraíba

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG

Criança e adulto, mãos dadas

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar