Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Jurídico do PSB diz que ação da PM foi festival de arbitrariedade

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O coordenador jurídico da Coligação Uma Nova Paraíba, Ricardo Sérvulo, fez hoje duras críticas à operação realizada no início da noite de ontem por alguns policiais militares em Campina Grande durante uma fiscalização em uma residência do bairro do São José. Segundo Sérvulo, o material encontrado (tecidos laranja) fazia parte de uma encomenda legal de bandeiras que seriam usadas na carreata do candidato Ricardo Coutinho (PSB) na cidade. Em entrevista ao Parlamentopb, o advogado disse que o que aconteceu foi "um verdadeiro festival de arbitrariedade".

– Não havia qualquer ilegalidade na fabricação das bandeiras. Foi um material legitimamente contratado. Tanto é verdade que agentes da Polícia Federal chegaram antes e não viram ilegalidade. Não houve sequer a apreensão do tecido. A confusão começou quando os policiais militares, sob ordens expressas do Comando da PM, desrespeitaram nossos advogados e até mesmo os policiais federais que estavam no local. Os PMs mandaram os advogados levantarem a camisa e quiseram revistar a viatura da Polícia Federal. Depois que os agentes da PF se identificaram, ainda tiveram armas apontadas para eles, pela PM. Foi um absurdo que não se registrava na Paraíba desde a ditadura ou a década de 30, foi um festival de arbitrariedades.

Indignado, Ricardo Sérvulo anunciou que o episódio será reportado à seccional paraibana da OAB e também à representação nacional da Ordem.

– Os direitos constitucionais dos advogados foram desrespeitados. Eles foram revistados e ainda houve um policial que perguntou à nossa equipe se ela tinha gostado do "baculejo" e ainda emendou que aquele era o jeito de dar "baculejo" em advogados. Os advogados estavam apenas tentando garantir que uma encomenda legal fosse realizada. Estamos profundamente tristes e indignados com o que aconteceu ontem.

Sérvulo acrescentou que a responsabilidade da abordagem foi do Comando da Polícia Militar:

– A corporação não concorda e nem pratica esse tipo de coisa, mas os policiais estavam cumprindo ordens expressas do Comando e mais de uma vez eles disseram que a determinação tinha sido emanada de João Pessoa. Eles foram forçados, através do Comando da PM, que segue o que diz o governador licenciado e candidato à reeleição.

Nesta segunda-feira, a Coligação Uma Nova Paraíba promete encaminhar representações contra a abordagem da PM ao Ministério Público Eleitoral, Federal, Estadual, à OAB paraibana e nacional, além do Tribunal Regional Eleitoral e à própria Polícia Militar, a quem solicitará a abertura de um procedimento para apurar responsabilidades na revista aos advogados e aos agentes da Polícia Federal.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

imagem_2024-06-25_131911480-2

Juiz suspende reunião do PSOL que decidiria pelo apoio a Cartaxo

prefeito

Opinião: Atriz atua e não substitui responsabilidade social de gestor

onibus

Ônibus colide com poste no bairro dos Bancários, em João Pessoa

concurso-policial-penal

MPPB, secretarias e sindicato deliberam sobre concurso para policial penal

banheiro

Suspeito de estuprar mulher durante festa de São João em Santa Rita é preso nesta segunda

Dinheiro muito

Prazo para 16 ganhadores do Nota Cidadã resgatarem R$ 40 mil em prêmios termina dia 20

João Almeida, foto divulgação

Ex-vereador João Almeida está internado após cirurgia cardíaca

Programa Justiça 4.0

Programa Justiça 4.0 abre 35 vagas de trabalho

INSS na Paraíba

Servidores do INSS na Paraíba entram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira

Celso Batista e Luciano Cartaxo

PSOL decide hoje se mantém pré-candidatura de Celso Batista ou apoia Luciano Cartaxo