Juíza paraibana promove campanha e arrecada livros para doar a presos

A Cadeia Pública de Soledade realizou, nessa segunda-feira (23), um Círculo de Paz, em  comemoração ao recebimento de livros doados para a biblioteca da unidade prisional, angariados pela campanha promovida pela juíza auxiliar Ivna Mozart. Os livros permitirão  a realização do projeto de remição da pena pela leitura, disciplinada pela Recomendação nº44/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Além da juíza, participaram do evento os reeducandos que cumprem pena naquela unidade prisional, o diretor da cadeia Thiago Marinho, o professor Júlio César Garcia e autoridades locais.
A magistrada explicou que o Círculo de Paz tem o objetivo de oferecer um espaço para cada participante expor sua opinião, estabelecendo uma relação de segurança e de autorreflexão. “Para tanto, é crucial que não haja nenhum observador do círculo, apenas os envolvidos, que são vistos de forma igualitária. A consequência da medida é a análise individual da própria conduta, o que possibilita a restauração do reeducando. Essa metodologia faz parte do projeto de Justiça Restaurativa, já aplicada em outros países e replicada na nossa jurisdição”, explicou.
O professor da unidade prisional destacou a relevância de abrir um espaço seguro de fala para o reeducando. “Eventos dessa natureza são importantes para quem vive o sistema carcerário diariamente, e, até mesmo, para a própria conduta de paz dentro da unidade. Ações como essa, fazem com que o cotidiano da unidade prisional fique mais leve e mais tranquilo. Como professor, saio grato e feliz pela conduta aqui aplicada. Levamos essa vivência para o dia a dia no trato com os reeducandos”, afirmou.
Para o diretor da Cadeia Pública, o Círculo de Paz foi uma experiência positiva. “O que aconteceu aqui, na unidade de Soledade, foi extremamente importante, tanto para os reeducandos, que participaram do Círculo, quanto para nós que trabalhamos com a segurança da unidade. Saímos totalmente modificados, com uma visão bem mais ampla dos valores humanos, entre outras virtudes que só quem participa do Círculo pode sentir”, ressaltou Thiago Marinho.
Os reeducandos tiveram a oportunidade de expor suas vivências e escutaram as experiências de cada participante. “Para mim foi uma grande alegria participar desse Círculo. Nunca tinha participado de nada parecido e me senti muito honrado com o convite”, afirmou o reeducando Francinaldo, recluso da unidade prisional.

1 comentário

Comentários