João Paulo Meira se entrega e fica preso em Guarabira

O estudante João Paulo Guedes Meira, acusado de causar o acidente de trânsito que matou Antônio de Pádua Guerra Ramalho, Francisco de Assis Guerra Ramalho e o pequeno Matheus Cavalcanti Ramalho, se entregou hoje à tarde e já está recolhido ao presídio de Guarabira. A informação foi dada ao Parlamentopb pelo advogado Mário Júnior, representante jurídico do estudante. Ele explicou que João teria desistido de permanecer foragido e quis evitar um julgamento à revelia:

– Ele não teve a intenção de causar o acidente, muito menos de matar ninguém. Não houve dolo e isso vai ser esclarecido. Se João Paulo for ao tribunal do júri, ele estará presente para que o julgamento não se dê à revelia. Ele me procurou há alguns dias, disse que estava próximo da Paraíba e eu o aconselhei a se entregar.

João Paulo é acusado de homicídio e lesão corporal dolosos depois de dirigir sob o efeito do álcool e desrespeitar os semáforos vermelhos, no dia 6 de maio de 2007, causando a morte dos três integrantes da família Ramalho.

Antes de se entregar, João Paulo tentou obter habeas corpus em diferentes instâncias, todas sem sucesso.

Outro lado – O assistente de acusação, Ricardo Sérvulo, disse que a atitude de João Paulo foi uma surpresa, mas espera que a prisão preventiva do estudante seja mantida:

– Foi uma surpresa porque o réu teve todas as chances de se entregar e decidiu permanecer foragido por quase dois anos. Ele, agora, vai a julgamento e esperamos que seja condenado pelos crimes que cometeu. João Paulo já mostrou que não tem compromisso com a Justiça e por isso o decreto de sua prisão deve ser mantido, a fim de evitar que ele fuja novamente, atrapalhando a instrução penal.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.