Jeová ataca Frente em Defesa de Pro-Tempores: É brincadeira

Ele não esteve na votação que aprovou ontem, por unanimidade, a criação da Frente Parlamentar em Defesa dos Servidores Públicos, mas reagiu duramente ao esforço comandado por Manoel Ludgério (PDT), líder de Oposição. Hoje à tarde, Jeová Campos abriu suas baterias contra a Frente e disse que ela é mero instrumento político: Não estive aqui ontem para votar na tal Frente, mas dela eu não participo. Eu só reconheço ser servidor, quem fez concurso. Sou contra a substituição de um por outro aliado político. Não faço isso na minha área, mas também não participo dessa brincadeira de investigar perseguição. Não existe perseguição. O que existe é pirotecnia".

Jeová defende a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que prevê a efetivação de servidores que permaneceram no serviço público de 1988 até os dias atuais. O parlamentar do PT entende, ainda, que aqueles cujo ingresso se deu entre 1983 e 1988 também devem ser mantidos. Os demais, devem se conformar com o caráter temporário que suas funções tem: "A única forma é o concurso público. Eu defendo uma PEC que está tramitando no Congresso. Quem entrou no serviço público sem concurso depois de 1988, está em condição irregular", arrematou.

O líder de Oposição, Manoel Ludgério (PDT) informou que a primeira reunião da Frente deve acontecer em Bayeux. Segundo ele, a intenção é levar juízes, promotores e representantes do Ministério Público do Trabalho às cidades onde há denúncias de perseguição aos prestadores de serviço. "Vamos oferecer também uma assessoria jurídica para que essas pessoas possam se defender na Justiça e retornar a seus locais de trabalho", dise Ludgério.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.