Ivonete revela discriminação da imprensa e cobra presenças na Câmara de Campina

O ano de 2018 deve ser de produção normal. É isso que tem cobrado de seus pares, a vereadora Ivonete Ludgério (PSD). presidente da Câmara Municipal de Campina Grande. Em entrevista à série realizada pelo ParlamentoPB com as lideranças políticas paraibanas, a parlamentar revelou que já começou a “apertar o cerco”, com o ponto eletrônico aos vereadores: “Queremos a continuidade do trabalho feito em 2017, quando tivemos aumento do percentual de 65%. Tenho tentado fazer com que a turbulência eleitoral não traga descontinuidade à atividade legislativa”.

Falando sobre discriminação, Ivonete desabafou e disse que exercer a presidência da Câmara sendo mulher é muito mais difícil: “Não pelos colegas, porque eu sou a única mulher num universo de 22 homens e fui reeleita presidente é prova de que os vereadores não têm preconceito. Mas, existe por parte de setores da imprensa e da população que vêem com diferença os governos femininos. Na Câmara, tenho enfrentado isso e tenho sofrido preconceito por ser mulher, por ser esposa de um deputado… existe ciumeira, vontade de ganhar no tapetão. Mas, eu sou muito forte. Apesar de minha estatura física, sou uma mulher de muita coragem”.

Comentários