Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Habeas Corpus tranca representação criminal contra advogados de CG

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Juiz Federal da 4ª Vara da Sessão Judiciária da Paraíba, Rudival do Nascimento, concedeu hábeas corpus à OAB da Paraíba em favor de 15 advogados campinenses que atuaram na eleição municipal naquela cidade.

Segundo José Mário Porto Júnior, presidente da OAB-PB, nas últimas eleições para prefeito, em 2008, os advogados entraram com uma exceção de suspeição contra o magistrado Rui Jander. Exceção de suspeição é quando o advogado acredita que o juiz  não pode atuar em determinado feito por ter alguma relação com as partes envolvidas. O Juiz, não aceitando o fato, entrou com uma representação criminal contra os advogados, acusando-os de prática de crime de calúnia.

A ordem outorgada através de sentença, tranca em definitivo a representação criminal instaurada pelo juiz estadual. De acordo com a sentença, os advogados agiram no exercício de sua profissão, acobertados pela cláusula de imunidade profissional prevista no Estatuto da OAB. Após discorrer sobre vários artigos do Código de Processo Penal o Juiz Federal encerra sua sentença ratificando ser inequívoco o presente caso impondo assim a concessão da ordem para o trancamento do inquérito pela evidente atipicidade da conduta investigada, ou seja, não há provas de que os advogados praticaram crime algum.

Segundo o presidente da OAB-PB, José Mário Porto Júnior, a acertada decisão judicial trancando o andamento do processo criminal tem caráter pedagógico pois servirá de exemplo para outros juízes que se sintam inconformados com a utilização de recursos processuais feito pelos advogados.

“O fato dos colegas campinenses terem oposto exceção de suspeição a atuação de um magistrado não constitui qualquer ilegalidade. Inegavelmente, o procedimento do juiz uma vez obtendo êxito constituía uma intimidação ao exercício profissional”, destaca José Mário.

Porto enfatiza que a OAB esteve presente e atuou na defesa dos advogados que apenas estavam realizando o seu trabalho. Ele acredita que tal ato do magistrado causou um grande constrangimento pois, de acordo com o artigo 7º, inc. 2º do Estatuto da OAB, no exercício de sua função, o advogado tem imunidade.

“Sem dúvida trata-se de uma vitória para a OAB impedir que advogados militantes tenham suas prerrogativas violadas e sejam impedidos de exercer livremente suas atividades, o advogado tem suas prerrogativas e essas devem ser respeitadas”, finaliza Porto.
 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

joaobelga

Paraíba terá Centro de Distribuição e fábrica de esquadrias de PVC de empresa da Bélgica

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto; veja

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG