Grupo Estado não vai cobrar pelo conteúdo online

O Grupo Estado não vai cobrar pelo conteúdo online em seus sites, quem vai bancar o custo de produção são os agentes integradores, isto é, os próprios buscadores da internet. Em entrevista ao Adnews, Silvio Genesini, diretor-presidente do grupo, esclareceu a posição da empresa sobre a cobrança e afirmou que os leitores poderão acessar suas páginas gratuitamente.

Nos últimos dias, várias informações sobre a cobrança de conteúdo online no mundo foram divulgadas e algumas questões sobre o assunto surgiram: Os usuários terão que pagar pelo que está na internet? Os grupos de comunicação têm dinheiro e grandes anunciantes, eles não podem arcar com esses custos?

"Não queremos que o usuário pague pelo conteúdo na internet, mas sim, os integradores que ganham indiretamente. Os agentes de busca têm dinheiro", afirmou. Segundo ele, não existe problema da informação ser gratuita para o leitor, mas sim que os buscadores ou serviços do tipo obtenham lucro sobre a produção de seus funcionários. “Não estamos fechando o site, não tem a ver com o usuário”, disse o diretor.

Por outro lado, Ivo Corrêa, representante do Google, afirmou durante o evento “Internet do Futuro”, o buscador une o público e o conteúdo de qualidade dos jornais, levando audiência para os portais.  “Não acho que exista uma rivalidade entre os jornais e o Google. Os jornais não vão acabar por causa do Google. É preciso um debate para achar uma cooperação".

Genesini confirmou que o grupo aderiu à Declaração de Hamburgo, que trata do reconhecimento dos direitos de propriedade intelectual em textos jornalísticos produzidos em sites, e que existe um custo para fazer um jornalismo de qualidade, independente e com credibilidade. “O público precisa saber dessa discussão para conhecer suas motivações”.

Para Genesini é importante reconhecer a propriedade intelectual das reportagens publicadas e a divulgação deliberada não é ajuda a propagar o nome do veículo. “Nós temos a Agência Estado e acordos para vender informações. O uso não autorizado não é benéfico”. Mas, existem exceções em que a autorização é reconhecida, desde que não exista uma monetização por esse conteúdo.

O diretor-executivo reafirmou que o grupo vai manter seu conteúdo online aberto. Segundo ele, a única mudança que pode acontecer no futuro é a combinação dos modelos, com a cobrança por informações específicas como reportagens segmentadas, análises e acesso a grandes bancos de dados. Mas, as notícias diárias e cotidianas continuarão gratuitas. “O Estado vai continuar 100% aberto e grátis”, finalizou Genesini.

 

Redação AdNews

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.