Governo Federal vai criar Força Nacional de Apoio Técnico de Emergência

O governo federal vai criar uma força-tarefa, composta por 35 geólogos e 15 hidrólogos, para atuar nas áreas de risco dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, afetados pelas chuvas. A decisão foi tomada hoje (9) pela presidenta Dilma Rousseff em reunião com seis ministros no Palácio do Planalto. A força-tarefa vai trabalhar na identificação das áreas sujeitas a deslizamentos e inundações, de onde as famílias devem ser removidas pela Defesa Civil. “Evitar mortes é nossa prioridade número um”, disse a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, em entrevista coletiva após a reunião.

A presidenta também determinou que os centros de operação e monitoramento permaneçam nos estados até fim de março para atuar nas ações de prevenção e reconstrução das cidades mais afetadas pelas chuvas. E além da antecipação do pagamento do Bolsa Família, o governo também deverá liberar recursos do FGTS para os moradores dos municípios em situação de calamidade.

Segundo o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemanden) prevê fortes chuvas na região serrana do Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e Outro Preto, em Minas Gerais, em Vitória, no Espírito Santo, e na região Serrana do Rio de Janeiro. O ministro lembrou que, em dezembro, a chuva em Minas Gerais bateu recorde histórico.

“Vamos fazer um mapeamento in loco para identificar as áreas mais vulneráveis e ajudar a Defesa Civil na remoção das famílias”, explicou Mercadante, acrescentando que 2,5 milhões pessoas foram atingidas pelos chuvas.

O Exército, informou o ministro interino da Defesa, general Enzo Peri, está trabalhando diretamente com os agentes da Defesa Civil na remoção das famílias e no transporte de alimentos. Uma ponte móvel já foi instalada e há condições para montagem imediata de um hospital de campanha para atender eventuais vítimas.

Já o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou que 800 quilos de medicamentos serão enviados para as áreas mais atingidas, somando 12,8 toneladas o total já encaminhado pelo governo. Além disso, a Força Nacional do SUS, com dois mil profissionais cadastrados, vai trabalhar nas unidades de saúde.

Na entrevista coletiva, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, fez um alerta para as condições das rodovias federais. Segundo ele, são 37 trechos afetados em 16 rodovias localizadas em cinco estados. Segundo o ministro, cinco trechos ainda estão totalmente interditados e 18 estão parcialmente liberados. Minas Gerais é o estado com maior número de interdições: dez rodovias no estado apresentam problemas em decorrência das chuvas. “As próximas 48 horas ainda são de apreensão”, afirmou o ministro.

Sapucaia – No início da entrevista, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, transmitiu, em nome da presidenta Dilma, solidariedade às famílias das vítimas do deslizamento na cidade de Sapucaia, no norte do Rio de Janeiro. “Vamos envidar esforços para resgatar as vítimas e oferecer apoio aos familiares”, completou.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.