Governo aumenta proposta, mas não convence delegados e policiais

Os representantes da polícia civil se reuniram hoje à noite, mais uma vez, com os secretários Marcos Ubiratan (Finanças), Antonio Fernandes (Administração), Lena Guimarães (Comunicação) e Gustavo Gominho (Segurança), além do Secretário Chefe da Casa Civil, Marcelo Weick. Segundo o presidente da Associação dos Policiais Civis, Flávio Moreira, mais uma vez não houve consenso e a greve dos delegados e agentes da civil continua.

"Durante a reunião, os representantes do governo mantiveram o percentual de 10% para os agentes, escrivães, papiloscopistas, necrotomistas, técnicos em perícia e motoristas policiais, mais o aumento que está previsto desde o governo anterior (mais 10%), totalizando assim 20% em 2010 e 10% para o restante da Polícia Civil (Delegados e Peritos). Para o ano de 2011, iniciou-se uma discussão com números totalmente fora de possibilidade de serem levados à apreciação de uma assembléia, porém após negativas incisivas dos representantes da categoria, os secretários ficaram de analisar uma nova proposta e apresentar na quarta-feira, 11, às 9 horas", relatou Flávio.

Ele acrescentou que, caso na próxima reunião não seja trazida uma proposta "palatável", a categoria poderá passar a negociar apenas com a presença do governador José Maranhão.

Governo – O secretário chefe da Casa Civil do Governador, Marcelo Weick, afirmou que a opção pela suspensão da reunião nesta segunda-feira à noite, para retornar as negociações na quarta-feira, às 9 horas, se deu por conta da crise econômica e se faz necessário estudar o impacto a ser gerado na folha de pessoal, além de respeitar os limites orçamentários, mas, principalmente os limites de gastos com pessoal.

Marcelo Weick destacou que está havendo boa vontade de ambos os lados (governo e categorias), no sentido de se resolver o assunto da melhor maneira possível. “Essa é a nossa intenção e obviamente estamos trabalhando com esse objetivo”, complementou Weick.

O secretário da Casa Civil afirmou ainda que o governador José Maranhão está preocupado com a situação e que durante todo o tempo da reunião, (das 19h às 21h30), os secretários o mantiveram informado, sempre o consultando também.  Marcelo Weick lembrou que o governador reconhece a necessidade de uma recomposição salarial dos policiais civis, mas, o governo tem suas limitações financeiras, sobretudo por conta da queda do Fundo de Participação dos Estados (FPE), o que tem dificultado muito uma política de recomposição salarial dentro do cenário atual, não só na Paraíba mas em todos os estados, sobretudo os estados nordestinos.

Ainda pelo Governo participaram da reunião os secretários Marcos Ubiratan (Finanças), Antonio Fernandes (Administração), Gustavo Gominho (Segurança e Defesa Social), Élson Pessoa de Carvalho (secretário chefe da Controladoria Geral do Estado). A deputada estadual Nadja Palitot também participou da reunião.

Cerca de vinte dirigentes das cinco entidades representativas dos Delegados, Agentes, Peritos, e Escrivães, participaram das negociações, dentre eles, os delegados Isaias Olegário e  Cláudio Lameirão e Flávio Moreira, agente de investigação.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.