Governo aprova MP que anula atos de Maranhão por 17 a 11

O governador Ricardo Coutinho (PSB) conseguiu hoje sua primeira vitória na Assembleia Legislativa e aprovou a Medida Provisória 161, que trata da anulação dos atos administrativos do ex-governador José Maranhão (PMDB). A aprovação se deu por 17 votos contra 11. Uma das surpresas foi o posicionamento público do deputado estadual Ruy Carneiro (PSDB), que se manteve neutro na campanha eleitoral e hoje defendeu a revogação dos atos do ex-governador. Ruy, inclusive, chegou a dizer que conversou longamente com o secretário da Controladoria Geral do Estado, Luzemar Martins, e se dispôs a explicar aos colegas a legalidade da MP de Ricardo Coutinho.

Outro tucano, Fabiano Lucena, comentou a atitude de Ruy e disse que o partido não orientou qualquer posicionamento na votação de hoje:

– Ruy Carneiro se inteirou da matéria e votou livre e consciente. Não houve orientação da bancada sobre a votação. Cada deputado tem o direito de opinar. Eu entendo que essa MP faz mal para o servidor público. Por isso, votei contra.

Já Zenóbio Toscano disse que a reação da Oposição era previsível:

– Se a oposição votasse a favor da MP, iria atestar que o ex-governador cometeu ilegalidades. Isso é normal. Eles votaram de maneira política. Não houve pressão para que os deputados de situação votassem a favor, mas mesmo assim eles compareceram maciçamente. A matéria foi amplamente debatida. A oposição quis marcar posição e marcou. Nós entendemos.

Estiveram ausentes à sessão de hoje os deputados Agnaldo Ribeiro (PP), Jeová Campos (PT), Carlos Batinga (PSC), Pedro Medeiros (PSDB), Ivaldo Morais (PMDB) e Márcio Roberto (PMDB). Entre os que votaram contra foram confirmados os votos de Dr. Verissinho (PMDB), Olenka Maranhão (PMDB), Chica Motta (PMDB), Trocolli Júnior (PMDB), Guilherme Almeida (PSC), Fabiano Lucena (PSDB), Arnaldo Monteiro (PSC), Gervásio Filho (PMDB), Rodrigo Soares (PT), Leonardo Gadelha (PSC) e Raniery Paulino (PMDB).

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.