Governador entrega Ponte Boi Morto após mais de dois anos do desastre

Várias pessoas compareceram no final da manhã deste sábado (23) a solenidade de entrega da Ponte Boi Morto, na cidade de Aparecida, na região do Sertão do Estado. A solenidade foi presidida pelo governador em exercício, deputado Ricardo Marcelo, que esteve acompanhado dos secretários Inaldo Leitão (Casa Civil), Renato Gadelha (Infra estrutura), deputados estaduais João Gonçalves, Leonardo Gadelha e André Gadelha, eleito.

Várias autoridades da região, entre elas o prefeito de Santa Cruz, Raimundo Antunes, lideranças políticas e moradores de Aparecida, São Francisco e Santa Cruz, cidades diretamente beneficiadas, esperaram com ansiedade a abertura da ponte e comemoraram com gritos e agradecimentos ao Governo pela obra.

Para reconstruir a ponte, o governo do Estado investiu recursos na ordem de R$ 1.4 milhão oriundos do Tesouro Estadual em parceria com o Governo federal, através do Ministério da Integração.

O governador em exercício disse que são obras desse tipo que beneficiam diretamente a população e ele, particularmente, se sentia gratificado em participar de tão importante solenidade. Enalteceu o trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado porque se preocupa com o desenvolvimento do estado.

Acrescentou ainda Ricardo Marcelo que a ponte entregue neste sábado estabelece um elo de desenvolvimento daquela região. “A gente sente isso ao ver as pessoas agradecerem por essa obra considerada de grande porte”, enfatizou.

O secretário Inaldo Leite em seu discurso falou do empenho do Governo do Estado para concluir no mais rápido possível a ponte Boi Morto e entregar “com segurança e durabilidade” a obra. Ele elogiou o padre Djacir Brasileiro pelo empenho e luta junto com o povo das cidades prejudicadas com o desabamento da ponte. “Padre Djacir merece todo o apreço do Governo do Estado e desse povo”, disse.

Quando o tráfego foi aberto os motoristas fizeram questão de buzinar. O empresário José Carlos Lacerda disse que a região volta a funcionar com a entrega da ponte. Já Jucélio Amâncio, proprietário do Cartório de Aparecida salientou que o povo está satisfeito com a obra que muita gente não acreditava.

O desabamento da Ponte Boi Morto aconteceu no final da manhã de 18 de abril do ano passado. Desde então para ter acesso da cidade de Aparecida para São Francisco e Santa Cruz, cidades que ficaram praticamente isoladas, era necessário o uso de canoa. Para amenizar os transtornos o governo estadual construiu uma passagem molhada.

Nos primeiros meses, principalmente quando o rio estava cheio um percurso de pouco mais de 30 km de Sousa para Santa Cruz o motorista gastava cerca de 150 km pois usava a rodovia até Catolé do Rocha retornando por Alexandria, no Rio Grande do Norte.

A ponte Boi Morto, que possuía 37 metros de cumprimento para 80 metros; sendo 8,8 metros de largura e 11 metros de altura. A demora para a conclusão da obra foi a cobrança de projetos e documentos institucionais pelo Ministério da Integração Nacional.

Nos últimos quinze dias, os serviços na Ponte Boi Morto foram finalizados com a instalação de aterros, estruturas que ligam a ponte às extremidades das estradas. “Faltam apenas pavimentação e drenagem que, segundo o superintendente do DER, Sólon Diniz, estarão concluídos até o final do mês. A ponte está situada no município de Aparecida, a 424 quilômetros de João Pessoa.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.