Governador do Amapá queria embolsar US$ 10 milhões, diz PF

O governador do Amapá e candidato à reeleição, Pedro Paulo Dias (PP), pretendia ficar com pelo menos US$ 10 milhões que uma empresa doaria para sua campanha. A informação, obtida pela Polícia Federal em 2009, consta do inquérito da Operação Mãos Limpas.

Dias e mais 17 pessoas foram presas temporariamente na sexta suspeitas de vários crimes, entre eles corrupção.

O dinheiro que o governador Dias negociava viria do grupo Salim, da Indonésia, que tem a intenção de investir no Brasil, segundo a PF.

Em novembro do ano passado, quando ainda era secretário de Saúde e vice-governador, Dias foi para o país asiático e de lá conversou com uma de suas assessoras, Lívia Gato de Mello. Ele revelou que a intenção era conseguir US$ 30 milhões para sua campanha deste ano.

Nas conversas com a assessora, Dias diz que o valor seria baixo para o grupo que pretende adquirir terras no Brasil para negócios na área de alimentação. No diálogo, Dias diz que gastaria US$ 20 milhões em sua campanha, revelando a intenção de ficar com o restante.

A Folha ligou para a advogada do governador, Patrícia Aguiar, que não respondeu.

Prisão

O ministro do Superior Tribunal de Justiça João Otávio de Noronha determinou ontem que Dias continue preso na sede da PF, em Brasília, onde está desde sexta-feira.

Além dele, foram mantidas as prisões do ex-governador Waldez Goes (PDT) e o presidente do Tribunal de Contas do Estado, José Julio de Miranda, do secretário de Segurança Pública, Aldo Alves Ferreira, da mulher do ex-governador, Marília Goes, e do empresário Alexandre Albuquerque.

O ministro Joaquim Barbosa, do STF (Supremo Tribunal Federal), já havia negado a revogação da prisão feito pelos advogados de Goes.

A PF encontrou ontem CDs escondidos durante blitz na secretaria de estadual Planejamento, um dos alvos da operação policial.

Impeachment

O presidente da Assembleia Legislativa do Amapá e candidato ao governo estadual, Jorge Amanajás (PSDB), encaminhará a uma comissão especial o pedido de impeachment Dias.

Seguindo o rito comum, a comissão ouvirá preliminarmente a defesa e fará um parecer sobre o afastamento ou não de Dias, que está detido em Brasília.

 

Folha Online

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.