Francisco Barreto ameaça deixar o PTN

O secretário geral da executiva municipal do PTN acusou hoje a Executiva estadual do partido de agir como Messalina – terceira mulher do imperador romano Cláudio, conhecida pela sua traição, ambição, crueldade e grande influência sobre o marido que mandava executar quem lhe desagradava. “Fui apunhalado. E o único crime cometido pela direção da sigla João Pessoa foi ter se insurgido e de querer ser independente”, desabafou Barreto numa clara alusão a possibilidade da agremiação se aliar ao prefeito Ricardo Coutinho.

Para Barreto, não há como silenciar onde a consciência obriga a falar e a contestar.

De acordo com o secretário geral da sigla na Capital, “entre o PTN e a nossa consciência só existe uma escolha possível. Se praticarem mais um golpe para satisfazer a sanha da submissão a Ricardo Coutinho, estamos fora”, disparou.

Segundo Barreto, a sua luta e de alguns diretorianos da executiva municipal do PTN foi para que a sigla não se transformasse em um “circo mambembe” à disposição de quem mais oferece benesses. “Se isso acontecer, deixamos de ser pequenos e grandes ao mesmo tempo, para não seremos nada”, alfineta.

“A Executiva Estadual do PTN que é visceralmente do PSDB faz o jogo de Ricardo Coutinho”, garante Barreto .

“Saio do PTN, com a certeza de que em João Pessoa não nos vendemos a ninguém, somos e seremos independentes, estivemos sempre longe das benesses do Poder, e perto do pulsar das ruas”, informa.

Barreto alerta que outros golpes virão. “Vão tomar o PTN, e o venderão por quarenta dinheiros”, vaticinou. O ex-secretário de Administração de Ricardo garantiu que não fará parte do que considera um processo de escambo político.”Me considero com um pé na rua, e as mãos limpas exibindo independência”, assegura.

Barreto reafirma que se golpearem e forçarem alianças espúrias estará fora do PTN. “A política da submissão, da vassalagem não é a nossa praia”.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.