Folha mostra documento que comprova esquema ilegal de mensagens no WhatsApp

O PT divulgou em seu site a nova denúncia da Folha de São Paulo a qual mostra que a Croc Services procurou o coordenador da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) para oferecer o serviço de disparo em massa de mensagens via WhatsApp. O disparo é legalizado quando é feito com contatos de listas do candidato ou de apoiadores, mas é ilegal se forem usadas listas de terceiros, o que aponta a Folha ao dizer que empresas bancaram esses disparos ilegais com mensagens anti-PT.

Jackson Macedo, presidente do PT na Paraíba, disse ao ParlamentoPB que espera uma atitude do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o caso. “É um absurdo o que está acontecendo no Brasil. Querem ganhar a eleição com notícias falsas. É o mesmo sistema que aconteceu para a eleição de Trump, com empresas americanas sendo pagas com dinheiro de caixa 2.”

Veja o que mostrou o PT, em seu site.

 

A Folha de S. Paulo obteve uma troca de emails que confirma que a Croc Services, uma das empresas envolvidas no esquema ilegal que teria favorecido Jair Bolsonaro (PSL), ofereceu disparos em massa por WhatsApp à campanhas políticas, nas Eleições 2018. Segundo a reportagem, a empresa ofertou, em 30 de julho, diversas opções de mensagens para Geraldo Alckmin (PSDB).

O coordenador da área digital da campanha do tucano, Marcelo Vitorino, disse que a Croc Services formalizou uma proposta de R$ 8,7 milhões, usando nomes e números de celulares obtidos pela própria agência, e não pelo candidato, o que é ilegal.

A compra de serviços de disparo de WhatsApp por empresas para favorecer um candidato configura doação não declarada, além de vir de pessoa jurídica, o que é vedado pela legislação eleitoral.

Segundo Vitorino, a campanha tucana comprou apenas a lista de telefones de militantes e membros do próprio PSDB e de apoiadores que forneceram dados nas redes de Alckmin, o que não é considerado ilegal. O coordenador disse ainda que pagou R$ 495 mil pelos disparos, a R$ 0,09 cada um.

Vitorino também revelou, ao jornal O Globo, que a empresa DOT Group ofereceu a entrega de disparo de mensagens por WhatsApp para até 80 milhões de pessoas, por meio de cadastro de terceiros. A oferta ocorreu na sede do PSDB em Brasília, em 11 de julho e também foi rejeitada, segundo o coordenador.

Bolsonaro beneficiado pelo esquema

 

Para o coordenador tucano, Bolsonaro foi beneficiado pelo esquema ilegal de mensagens. “Pelo volume de mensagens geradas em favor do Bolsonaro, é possível que sua campanha tenha sido beneficiada, mesmo que ele não tenha conhecimento pleno”, disse.

Vitorino afirmou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já tinha conhecimento de que empresários estão violando a lei eleitoral e comprando serviços de propaganda para candidatos. O coordenador fez referência à denúncia que fez contra Luciano Hang, dono da Havan, que também é uma das envolvidas no esquema para favorecer Bolsonaro. O empresário foi multado em R$ 10 mil pelo TSE por ter impulsionado publicações no Facebook para promover o candidato do PSL.

“O envolvimento de empresários em defesa de candidatos já foi comprovado pelo TSE, que, ao receber denúncia da campanha de Alckmin sobre o impulsionamento irregular de conteúdo, multou um empresário. Como não há nenhum tipo de monitoramento ativo, por parte das autoridades, é provável que muitos outros empresários tenham também feito impulsionamentos de políticos”, disse.

Folha mostra documento que comprova esquema ilegal de mensagens no WhatsApp

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.