Fetag inaugura ampliação da Casa de Apoio nesta sexta

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado da Paraíba (Fetag-PB) inaugura, nesta sexta-feira, 23, às 10h, a ampliação da Casa de Apoio aos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais. A iniciativa marcará as comemorações pelo dia da categoria, que transcorre oficialmente na Paraíba, no dia 25 de julho. A Casa de Apoio está localizada na Rua Mateus Zácara, 55, Jaguaribe (vizinho ao antigo Centro Educacional do Adolescente – CEA).
 
Durante o evento, será entregue ao governador José Maranhão uma pauta de reivindicações, cobrando ações do Governo do Estado para os principais problemas enfrentados pela categoria.
 
O presidente da Fetag-PB, Liberalino Ferreira de Lucena, destaca que o objetivo, neste dia, é chamar atenção de todos os segmentos da sociedade, no sentido de conquistar o apoio e principalmente o acolhimento das reivindicações dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, através de um compromisso real na viabilização de políticas públicas que venham garantir de forma permanente e sustentável o desenvolvimento econômico e social do campo.
 
“Temos sim, várias conquistas para comemorar, como a garantia de direitos trabalhistas, o acesso à terra e ao regime geral da Previdência Social, entre outros. Contudo, temos consciência de que ainda precisamos lutar muito para alcançarmos a plena cidadania para os homens e mulheres do campo”, avaliou Liberalino.
 
Atendimento melhor – Inaugurada em julho de 2008, a unidade passou por uma ampla reforma, onde foram construídas 10 novas suítes, aumentando os atuais 25 leitos para 75, e uma área de lazer com 140 m2. O objetivo foi o de aumentar a capacidade de atendimentos e oferecer mais conforto aos trabalhadores e trabalhadoras rurais que precisam sair de seus municípios de origem para tratamento de saúde na Capital, além de abrigar seus acompanhantes.
 
A coordenadora da Casa, Maria José da Costa Lucena explica que alguns pacientes precisam ser internados e a pessoa que o acompanha fica na Casa, onde pode fazer suas refeições, tomar banho e dormir. “O espaço estava sendo pequeno para a demanda. Nunca deixamos ninguém sem atendimento, mas agora poderemos beneficiar muito mais gente”, destacou Maria José.
 
Segunda Casa – Além da coordenadora, duas funcionárias dividem com ela a tarefa de acolher os pacientes. Maria José Lucena explica que grande parte dos pacientes tem câncer ou problemas de coração, que exige tratamento constante ou prolongado. “A maior parte destas pessoas voltam várias vezes e passam a considerar a Casa de Apoio como sua segunda casa, graças ao carinho e o clima de família que temos aqui. Acho esse um ponto fundamental para a recuperação de qualquer que seja o estado do paciente”.
 
Há cinco meses em tratamento com o marido e acompanhados pela filha, a agricultora Maria Nunes de Albuquerque, de 66 anos, disse que soube da existência da Casa de Apoio nas reuniões do Sindicato de Cajazeiras. “Só Deus é quem paga o que fizeram por nós aqui”.
 
Sem ninguém da família ou amigo que pudesse lhe acompanhar a agricultora Geralda Cosmo do Santos, 45 anos, de Cajazeiras, só ficou sabendo da Casa no hospital para onde havia sido encaminhada. “Vai fazer dois meses que estou aqui e me sinto em casa”.
 
Acesso – Para ter acesso a Casa, os trabalhadores (as) devem ser encaminhados pelos Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR’s) através de ofício endereçado a Fetag. Por questões de segurança, o horário para a chegada é limitado até às 21h.

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.