Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Enfrentamos uma pandemia jamais pensada em tempos modernos, de tecnologia e medicina avançadas, sofremos, choramos, permanecemos por meses trancafiados nos nossos lares, tivemos perdas inimagináveis, sobrevivemos, mas será que reaprendemos a viver?

A nossa saúde, o merecido descanso, o sono, o olhar sensível à dor do outro, os valores e princípios mais nobres tão necessários para uma convivência humanizada e solidária em sociedade, compreendemos realmente que precisamos respeitá-los?

O esgotamento do corpo também é reflexo do exaurimento mental, da energia e confiança que depositamos em missões, amizades, relacionamentos, projetos, planos de vida, que no fundo são idealizados, sonhados, mas infrutíferos. Atenção aos sinais!

Repensar, refletir, virar a chave, mudar de rota, reinventar, não são sinônimos de fracasso, de desistir, ou fraquejar, mas sim, de resiliência, de esperançar, de inovar, de reflorescer.

Por que aguardar rupturas desastrosas como pontos de partidas, de recomeço? Não seria o ideal que tantas situações de sofrimento pudessem ser evitadas? Por que certas situações previsíveis que serão certamente causas de angústia e sofrimento são desprezadas? Muitas vezes, somos nós e apenas nós os responsáveis pela nossa própria dor, pela dor do outro, no entanto, a escolha mais prática, mais vantajosa teoricamente e momentânea, é avançar desenfreadamente por propósitos passageiros, mesquinhos, antiéticos, sem responsabilidade afetiva e quando olhamos pra trás, o rastro de ações improdutivas e fundadas em objetivos rasos e desarrazoados, já causou um enorme estrago.

Tantos desastres naturais, diversas mortes, doenças, inimizades, ambientes tóxicos são previsíveis. O cuidado precário com a natureza, com a nossa energia, o nosso corpo, com quem está ao nosso lado precisam ser prioridade. Mudar de rota, abrir a mente e priorizar o autocuidado podem nos salvar, podem evitar machucar o outro, e podem sim, guiar as gerações futuras.

O apego aos deuses materiais, ao comando, a crença no poder de mover o mundo, de gerenciar espaços, de mover peças do jogo da vida, o culto ao egoísmo e ao individualismo podem camuflar a real felicidade, a paz e os momentos mais sublimes que simplicidade da vida proporciona.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

boaventura

Auditor do TCE é barrado em Boa Ventura e aciona MP e polícia para checar finanças

f13594e09cbba8986323e3cf52d2a445

João surpreende e nomeia Arymatheus para Saúde e Miguel Ângelo para Desenvolvimento Econômico

WilsonfilhoRepublicanoss

João Azevêdo anuncia Wilson Filho e Edilson Amorim para a Educação da PB

joao-azevedo-paraiba

João Azevêdo anuncia investimentos e credenciamento de entidades para o Programa de Aquisição de Alimentos

aaada

Professores e servidores da UFPB e do IFPB convocam imprensa para entrevista coletiva nesta quinta

aditivo-sao-joao-cg

MPPB, órgãos e empresa assinam Termo Aditivo sobre segurança durante o São João de Campina Grande

cumprimento-decisao-boa-ventura

MPPB tem pedido deferido pela Justiça e garante auditoria do TCE na Prefeitura de Boa Ventura

cópia-de-casa-da-pamonha1

Procon-JP realiza pesquisa no valor das comidas típicas durante os festejo juninos

trt

TRT acata recurso e anula decisão de juiz após parto de advogada

sadfgasdg

Alça que dá acesso à BR-230 no bairro do João Agripino é bloqueada nesta quinta