Estado inaugura primeira UPA da PB e entrega mais 29 ambulâncias

O Governo do Estado inaugurou, na manhã de hoje, a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) da Paraíba, no município de Santa Rita, e entregou 29 ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) a 23 municípios paraibanos. As solenidades foram realizadas pelo governador em exercício, Ricardo Marcelo, acompanhado do secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde (SAS/MS), Alberto Beltrame. Os equipamentos de saúde fazem parte do Projeto de Estruturação da Rede Estadual de atenção às Urgências e Emergências na Paraíba.

O governador em exercício visitou as instalações da UPA 24h, no bairro de Tibiri II, em Santa Rita. Em seguida, no Palácio da Redenção, entregou as chaves das ambulâncias as prefeitas Fátima Paulino (Guarabira) e Wilma Maranhão (Araruna). Após o evento, Ricardo Marcelo  concedeu entrevista e falou das melhorias que estão sendo feitas na área da saúde em todo o Estado com a entrega dos equipamentos médico-hospitalares, além das reformas e construções de unidades de saúde em vários municípios. “Essa melhoria é grandiosa para a saúde da Paraíba. Com a entrega das ambulâncias do SAMU, da primeira UPA 24h, e as reformas e construções dos hospitais estamos vendo uma dinamização na área da saúde para que a Paraíba não pare de crescer”.

UPA 24h – Em funcionamento desde a última quinta-feira (21), a unidade já atendeu mais de 200 pessoas do município. Sua estrutura é composta por dez leitos (sete para adultos e três para crianças) e uma equipe formada por três enfermeiros, dois pediatras, dois clínicos gerais e um cirurgião, que trabalham em regime de plantão. O secretário de Estado da Saúde, José Maria de França, explicou que a UPA 24h foi construída através de uma parceria entre a SES e o MS para desafogar os hospitais na área de urgência e emergência, sendo uma unidade intermediaria entre os Programas de Saúde da Família (PSFs) e os hospitais.

Na obra, e em equipamentos da UPA 24h, foram investidos R$ 3,9 milhões, sendo R$ 2,5 milhões do Tesouro do Estado. A UPA está sendo gerenciada pela Polícia Militar, com os profissionais do Hospital Edson Ramalho, mas a gestão é da SES/PB. “Este modelo foi implantado no Estado do Rio de Janeiro com muito sucesso, as unidades de saúde foram descongestionados com a construção das unidades”, comentou José Maria.

Alberto Beltrame ressaltou o momento histórico que estava acontecendo com a inauguração da UPA 24h na Paraíba e que o inicio do atendimento de mais de 200 pacientes mostrava a necessidade que o município tinha da unidade. “A unidade não é um fato isolado, ela está inserida numa política de urgência e emergência, que é o mais importante para os moradores. Estamos estruturando junto com o Governo do Estado todo o SAMU, ele será levado para as diversas regiões da Paraíba. Serão construídas mais sete unidades com o sentido de melhorar a atenção a saúde”. 

Outras unidades estão sendo construídas nas cidades de Guarabira, Cajazeiras e Princesa Isabel. As unidades são estruturas de complexidade intermediária entre as unidades básicas de saúde e as portas de urgência hospitalares, implantadas em locais estratégicos para a configuração das redes de atenção à urgência. A estratégia de atendimento está ligada ao trabalho do Samu, que organiza o fluxo de atendimento e encaminha o paciente ao serviço de saúde.

Já as 29 ambulâncias foram entregues aos seguintes municípios: Mamanguape, Caaporã, Araruna e Sapé (duas ambulâncias, cada um), Guarabira (três), Mataraca, Rio Tinto, Jacaraú, Lucena, Alhandra, Caiçara, Lagoa de Dentro, Alagoinha, Bananeiras, Serraria, Belém, Cacimba de Dentro, Itabaiana, Gurinhém, Pedras de Fogo, Ingá, Mogeiro e Juripiranga. A última entrega de ambulâncias foi na semana passada para os municípios de Patos (dois veículos), São José de Espinharas, Areia de Baraúnas, Condado, Teixeira e São José do Bonfim.

Regionalização do Samu – O plano de regionalização do Samu prevê, ainda, a criação de duas centrais de regulação médica em Cajazeiras (que foi inaugurada há dois meses) e Monteiro, além de 96 bases descentralizadas, que serão implantadas em municípios estratégicos. O objetivo é que o serviço chegue a 100% da população do Estado. Hoje, apenas as centrais de Cajazeiras, Sousa e  Piancó são regionais. As de João Pessoa, Campina Grande e Patos são locais.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.