Erenice usou carta a Dilma para pressionar Anatel

Erenice Guerra usou uma carta enviada à então titular da Casa Civil, Dilma Rousseff, para pressionar a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) em 2007 em favor da Unicel Telecomunicações, informa reportagem de Elvira Lobato e Mario Cesar Carvalho publicada na Folha desta quinta-feira.

O marido de Erenice, José Roberto Campos, era consultor da empresa.

Em janeiro de 2007, o presidente da Unicel, José Roberto Melo e Silva –padrinho de casamento de Erenice e Campos– mandou uma carta para Dilma com graves acusações à Anatel.

Erenice, que era secretária-executiva da Casa Civil, mandou cópia da carta ao então presidente da Anatel, Plínio Aguiar Júnior, e cobrou explicação urgente.

O empresário acusava a comissão de licitação e a procuradoria da Anatel de mentirem à Justiça Federal, de vazarem informações para empresas de fora da licitação e de coagirem o advogado da Unicel, Gabriel Laender –que depois foi nomeado assessor na Casa Civil.

O advogado Mário de Oliveira Filho, que defende Erenice Guerra, diz que ela nunca fez pressão sobre a Anatel para beneficiar nenhuma empresa.

"É uma retumbante mentira que a Erenice tenha pressionado conselheiros da Anatel. No inquérito policial, nenhum conselheiro diz que sofreu pressão da ministra".

A assessoria de Dilma diz que ela não sabia que o presidente da Unicel era padrinho de casamento de Erenice nem que o marido dela prestava consultoria para a empresa.

 

Folha Online

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.