Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Energia elétrica de Matinhas será cortada por falta de pagamento

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Os membros da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado deram provimento parcial, na manhã desta terça-feira, 26, suspendendo o fornecimento de energia elétrica nos prédios públicos do Município de Matinhas, em virtude de inadimplência. A decisão alcança apenas os prédios onde são desenvolvidas atividades administrativas. Nas unidades onde são oferecidos serviços básicos como Educação, Saúde e Segurança Pública, o corte está proibido. O relator do Agravo de Instrumento nº 004.2009.001187-7/001 foi o juiz convocado Carlos Antônio Sarmento.

Com o entendimento do órgão fracionário, foi suspensa a decisão do juiz da Vara Única da comarca de Alagoa Nova. De acordo com o relatório do juiz Carlos Sarmento, o magistrado de primeiro grau determinou, na Ação Cautelar c/c Pedido Liminar, o imediato restabelecimento do fornecimento de energia no Município, sob o fundamento de que tal interrupção ocasionaria “grandes prejuízos financeiros”.

Alegou a Energisa, que a legalidade do ato de suspensão de energia elétrica têm como  base as Leis nºs 8.987/95 e 9.427/96 e a Resolução nº 456/2000 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANNEL) que permitem, em casos de inadimplência, a suspensão no fornecimento energético.

Em seu voto, o juiz-relator ressalta que o déficit total da Prefeitura de Matinhas junto à Companhia energética ultrapassa os R$ 70 mil. Segundo Carlos Sarmento, a suspensão do fornecimento de energia por falta de pagamento de tarifa é um direito do Poder Público ou da concessionária, que decorre da expressa disposição legal.

“O corte de energia, nesses casos, não se caracteriza como ato ilegal, tampouco representa constrangimento ou ameaça ao consumidor, conforme se depreende do artigo 6º, § 3, da Lei 8.987/95”, disse o magistrado.

Ele observa, também, que a Energisa poderia ter prejuízo em manter a qualidade na prestação do serviço, se prosseguisse com o fornecimento de serviços sem pagamento. “Assim, a concessionária não é obrigada a fornecer energia sem a respectiva contraprestação por parte do usuário, consubstanciada no pagamento da tarifa, até mesmo porque sem os recursos oriundos de tal pagamento, não há como manter a qualidade na prestação do serviço”.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

jacksonemarcos (1)

Presidente do PT da PB explica presença na PH: “O evento era do PSB, não do PP”

UFPB-entrada-683x388

UFPB terá urnas em todos os centros de ensino nesta quinta; veja locais

Energisa trabalhando na Torre

Ocorrência deixa áreas da Torre sem energia e concessionária atua para normalizar serviço

ALPB 31

ALPB define nova data para audiência com Pollyanna Loreto e oposição questiona ausência

Glicério Feitosa, candidato do NOVO a prefeito de Bayeux

Glicério Feitosa cita “péssima” gestão de Luciene e indecisos para vencer eleições em Bayeux

Polícia civil, viaturas, central

Operação da PC prende ‘contadora’ do tráfico em João Pessoa e cumpre mandados de busca no sertão

Aimee Garcia, atriz de Dexter

Aimee Garcia, de ‘Lúcifer’ e ‘Dexter’, é confirmada para a edição 2024 do Imagineland

terezinhaemonica (1)

Eleições na UFPB acontecem nesta quinta; 46 mil estão aptos para votar

PM, viatura passando

Criminosos sequestram motorista de aplicativo, trocam tiros com a PM e dois são baleados

Dinheiro 21

INSS começa a pagar nesta quarta-feira décimo terceiro antecipado