Eletricitários propõem Ação Civil Pública contra a Energisa

Os eletricitários paraibanos estão em mobilização pela campanha salarial 2009/2010. Desde o mês de setembro, o Sindeletric vem tentando negociar com a Energisa suas reivindicações. A pauta de reivindicações foi entregue aos representantes da empresa há mais de 30 dias. Até o momento, a Empresa não deu qualquer resposta as reivindicações dos eletricitários da Paraíba. “ Estamos também sem propostas concretas para a PLR de 2009, que se arrasta desde o inicio do ano. Vamos iniciar uma serie de mobilizações até chegar à decretação de Greve por tempo indeterminado”, avisaram os diretores do Sindeletric.

Sobre as notícias de aplicações de reajustes indevidos nas tarifas de energia elétrica, a diretoria Sindeletric vai propor à Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) o ajuizamento, ainda nesta semana, de uma Ação Civil Pública contra a Energisa e a Agência de Regulação da Paraíba (ARPB). A justificativa é a aplicação indevida de reajustes na tarifa da energia elétrica nos últimos sete anos, conforme notícias veiculadas em todo o país. O Sindeletric propõe aos consumidores paraibanos que acionem os órgãos de defesa do Consumidor (procons municipais e estadual) contra a Energisa e a ARPB na busca e da garantia dos seus direitos.
 
A diretoria do Sindeletric lembra que no ano de 2000, por ocasião da privatização da Saelpa (hoje Energisa) até 2008, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou um reajuste de 177%. Em contrapartida, o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) do mesmo período foi de apenas 78%. “ Está claro e evidente que existe algo de errado na aplicação dos reajustes concedidos pela Aneel”, afirmou a diretoria do Sindeletric.
 
Em 2008 o Sindeletric liderou uma mobilização contra o reajuste de 15,77% na tarifa da energia elétrica na Paraíba. Neste ano, a entidade participou ativamente das discussões da revisão tarifária proposta pela Aneel. O resultado desta mobilização foi a redução, já em agosto de 2009, de um índice de 15,01% nas tarifas.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.