Alexandre Moura

Engenheiro Eletrônico, MBA em Software Business e Comércio Eletrônico, Chairman da Light Infocon Tecnologia S/A, VP da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado da Paraíba e Diretor de Relações Internacionais da BRAFIP.


E-commerce no Brasil dispara!

Como já era esperado, o crescimento do e-commerce (Comércio Eletrônico) brasileiro foi exponencial nos últimos meses. Este segmento de mercado, já vinha crescendo bastante nos últimos anos e “disparou” com a pandemia do vírus chinês, devido ao isolamento social. Desde as grandes empresas como a “Natura Cosméticos” e a “Magalu” só para citar duas, até o mercadinho de bairro, todos sentiram o impacto deste aumento enorme da demanda pelas compras online. Com o fechamento do “comércio tradicional” nas capitais e na maioria das cidades, as empresas tiveram que buscar uma saída para, pelo menos tentar, sobreviver. E a saída obvia, passa por implantar ou aumentar (para as que já utilizavam esse canal de comercialização), a utilização das vendas pela Internet. Uma pesquisa realizada pelo “Compre & Confie” (www.compreconfie.com.br) – movimento que mobiliza várias lojas em todo Brasil, com o objetivo de ter um mercado mais seguro e confiável, para as compras online, tanto para consumidores quanto para as empresas – refletiu muito bem este momento que atravessamos, mostrando que o “e-commerce brasileiro cresceu 71% no período de 24 de fevereiro a 24 de maio, deste ano, comparado ao mesmo intervalo de tempo de 2019”.

E-commerce no Brasil dispara! (II)

Este crescimento de 71% em 90 dias, não tem paralelo na história recente do comércio nacional (seja ele tradicional ou eletrônico). Em dinheiro, o faturamento das empresas neste período representou R$ 27,3 bilhões! Como escrevi acima, a pandemia tem sido o principal “motor” para o crescimento do e-commerce em nível mundial. Por exemplo, nos Estados Unidos, o “número de consumidores online cresceu 7,5% no mês de maio passado”. E como a pesquisa mostrou, o Brasil seguiu no mesmo caminho. Em relação ao número de transações, segundo o relatório da “Compre & Confie” no mesmo período de 90 dias, “foram realizadas quase 69 milhões de compras (com ticket médio de R$ 395,00), um aumento de 82% comparado a 2019”. Outra pesquisa, com resultado também impactante, foi à realizada conjuntamente pela “Ebit” (entidade brasileira especializada em “medir” a confiança nas lojas virtuais) e pela “Nielsen” (multinacional especializada em pesquisas e informações do mercado de consumo), que mostrou um crescimento de “96% das vendas dos supermercados online”, somente em sete dias de março passado (entre os dias 19 e 25)!

Lojas sem Funcionários

Outra mudança, que o comércio tradicional verá crescer nos próximos meses (por motivos óbvios), em nível mundial (e certamente vai ocorrer em um futuro não muito distante também, no Brasil), será o aumento do número das “lojas sem funcionários”, como o modelo da “Amazon Go” (que não tem atendentes e que consegue “gerenciar” o número de clientes dentro da loja) já em funcionamento faz algum tempo, em várias localidades dos Estados Unidos. Essa talvez seja a solução, para se evitar aglomerações de pessoas nas lojas físicas. As empresas de TI (Tecnologia da Informação), que tiverem soluções para este tipo de empreendimento, estarão bem posicionadas neste mercado que se abre, devido às restrições sanitárias neste tempo de pandemia.

“Tiketei”

Este é o nome de uma plataforma de gerenciamento de eventos online, bem interessante, desenvolvida na Paraíba. Além de inovação, a Plataforma TIKETEI é “uma parceria multidisciplinar que envolve tecnologia e cultura”. Trata-se de um projeto que vem sendo desenvolvido faz algum tempo e no momento, segundo seus idealizadores (Pamploni Cadé, Dr. Akash Prakasan e Sagar Prakasan) se encontra em fase de testes de mercado. Um dos diferenciais da Tiketei, em relação a outras soluções para venda de ingressos existentes, é o uso de IA (Inteligência Artificial) para auxiliar os usuários da plataforma na promoção dos eventos. Maiores informações podem ser obtidas no e-mail pamploni@plsoft.com.br.

Comentários