Adriana Crisanto

Jornalista profissional (DRT/PB n. 1455/02-99). Especialista em Jornalismo Cultural, mestre em Serviço Social (C.Política) pela Universidade de Salamanca e Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com atuação na imprensa local.


Dos tanques no Planalto Federal ao militarismo no mundo

Em uma tentativa clara de intimidação a Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), que votava, na ocasião, a proposta de acabar com o voto eletrônico no país, o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, convocou as Forças Armadas para um desfile de tanques de guerra, na última terça-feira (10). O fato gerou chacota em todo mundo e nas redes sociais os memes se alastraram.

Esse assunto foi o mote suficiente para pensar sobre a influência dos militares no mundo, que vem diminuindo desde a década de 1990. Mesmo assim o exército permaneceu desempenhando seu papel, que tem sido cada vez mais complicado diante os desafios de segurança não tradicionais e da proliferação dos grupos armados e das milícias que surgem cada vez mais na esteira da defesa do povo.

O fato é que hoje dos 10 Estados do Sahel (Burkina Faso, Camarões, Gâmbia, Guiné, Mali, Mauritânia, Níger, Nigéria, Senegal e Chade), apenas dois, Mali e Chade, possuem militares no governo. Uma parte da Gâmbia ao Níger, depois Nigéria, a maioria das regiões vem passando por mudanças transições pacíficas. Destes acimas apenas o Sahel permanece sendo visto como uma área que não vive a democracia.

Isso deixa claro também que o problema do Brasil, assim como os 10 Estados acima, passa por uma questão de governança, sobretudo, quando os países mais fragilizados pela fome e a miséria não conseguem cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que está previsto até 2030.

Dentro desta narrativa pensa-se nas consequências para a população do mal governo, que infere automaticamente no seu desenvolvimento e enfraquece o sistema democrático, bem ou mal, seja ele liberal, participativo, direto ou indireto ainda é o sistema de governo que mais tem beneficiado a população em todo mundo. Basta verificar o que diz o BID sobre a democracia e ver como ela pode estabilizar a economia em vários níveis de crescimento econômico e emprego e ainda apresentar uma inflação moderada.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.