Dilma veta festa de 100 dias de governo

 A presidente Dilma Rousseff desautorizou os ministros a fazer qualquer balanço para comemorar os primeiros 100 dias de governo.

 
Segundo a Folha apurou, ela chegou a vetar a iniciativa de ministros que já haviam encomendado balanços desse tipo às equipes.
 
Até mesmo o anúncio do Plano de Erradicação da Miséria, previsto inicialmente para abril, pode ser antecipado ou adiado para não coincidir com a data simbólica.
 
O anúncio do programa, principal bandeira social da campanha, é tratado como um dos mais relevantes eventos deste primeiro ano.
 
A orientação para que os 100 dias sejam esquecidos contrasta com a obsessão que, como ministra, Dilma costumava ter com balanços –como os do PAC– e longas apresentações de dados no programa Power Point, que se tornaram folclóricas.
 
A razão, discutida com os ministros da coordenação de governo e com os estrategistas de comunicação, é que, historicamente, as pesquisas de popularidade dos três primeiros meses sempre mostram uma redução de aprovação em relação à expectativa colhida antes da posse.
 
O marqueteiro João Santana, estrategista da campanha presidencial petista, prepara uma grande pesquisa para o final de março, levantamento que irá balizar as ações e a agenda de Dilma nos próximos meses.
 
Outra preocupação é que medidas como o corte de R$ 50 bilhões no Orçamento e a definição de um salário mínimo de R$ 545 carimbem o balanço dos primeiros meses como de ortodoxia fiscal.
 
Já há, porém, mudanças de atitude. Além de ampliar a exposição pública da petista, o Planalto decidiu também abrir mais a agenda da presidente, normalmente oculta em grande parte de seus compromissos diários.
 
Em uma semana, Dilma apareceu nos programas de Ana Maria Braga (TV Globo) e Hebe Camargo (Rede TV).
 
A nova orientação foi discutida em um seminário em 26 de fevereiro entre ministros, secretários e funcionários ligados à agenda presidencial. Apenas os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social) compareceram ao encontro.
 
Muitos reclamaram da baixa exposição da presidente ao público e do pouco acesso a seus compromissos diários –o fato de vários encontros não serem divulgados foi batizado de "agenda secreta".
 
Um interlocutor explicou que Dilma toca os assuntos do governo com "lupa de gerente", e que evita reuniões ampliadas por considerá-las improdutivas. Prefere receber ministros um a um.
 
A partir de agora, a presidente deve intensificar suas viagens e iniciar uma rodada de entrevistas a veículos nacionais de imprensa.
 
Ainda neste mês, terá uma série de compromissos ligados ao Dia da Mulher, com exposição de artes no Planalto e o lançamento do programa Rede Cegonha, de assistência materno-infantil.
 
Em abril, Dilma vai à China e ao Paraguai.
 
 
 
Folha Online
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.