Dilma socorreu aliados com R$ 223,8 mil no final do 1º turno

A campanha da presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), distribuiu R$ 223,8 mil para aliados que enfrentavam eleições acirradas nas últimas duas semanas antes do primeiro turno.

Os dados das prestações de contas dos candidatos que disputaram o segundo turno ainda não foram disponibilizados pela Justiça Eleitoral, mas já é possível identificar repasses feitos pela petista para quem a eleição terminou no dia 3 de outubro.

A troca de recursos entre contas de campanha é comum e legal, mas tradicionalmente ocorre como socorro financeiro para pagamentos de dívidas com fornecedores ou confecção de material de campanha conjunto.

No caso de Dilma, entretanto, a estimativa é que sua campanha tenha terminado com deficit de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões.

Os dados das prestações de contas de quem participou do segundo turno serão divulgados no fim do mês.

Por enquanto, o Diretório Nacional do PT foi o que mais captou recursos de doações entre os grandes partidos, com R$ 113,9 milhões. Os maiores doadores foram o Bradesco (R$ 16,8 milhões) e a construtora Andrade Gutierrez (R$ 10 milhões).

Doações feitas aos diretórios são usadas pelas empresas para não "carimbar" que privilegiaram algum determinado político.

O maior beneficiado por recursos do comitê de Dilma foi o senador reeleito Marcelo Crivella (PRB-RJ), com R$ 92 mil. Crivella é integrante da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) e atuou em favor da petista na reta final da campanha, quando temas como a descriminalização do aborto ganharam força no eleitorado evangélico. Ele apareceu em depoimento na propaganda de TV de Dilma.

Aloizio Mercadante (PT-SP) recebeu R$ 76,6 mil da campanha dilmista. Nos últimos 15 dias de setembro, o PT intensificou o esforço para alavancar a campanha dele e tentar –sem sucesso– levar o embate com o governador eleito Geraldo Alckmin (PSDB) ao segundo turno.

A dupla de candidatos a senadores Marta Suplicy (PT) e Netinho de Paula (PC do B) ganhou R$ 33,2 mil –foram R$ 16,6 mil para cada um.

Com a arrancada do senador eleito Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), entretanto, só a petista conseguiu uma cadeira. Marta também é cotada para ocupar um ministério no novo governo.

Outros dois candidatos que tiveram verba da campanha da petista foram Zeca do PT (R$ 17 mil), que perdeu a disputa ao governo de Mato Grosso do Sul, e Eduardo Valverde (PT), também derrotado em Rondônia.

 

Folha Online
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.