Deputado cobra agilidade da Câmara para votar projeto do Semiárido Nordestino

O deputado federal Wilson Filho (PTB) utilizou a tribuna da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (6), para cobrar da Casa agilidade na votação do projeto que cria a Zona Franca do Semiárido nordestino. Para o deputado, é preciso virar a página do discurso e passar a para a prática que é o desenvolvimento e o crescimento da Paraíba.

“Esse projeto já passou por todas as áreas desta Casa. Mas, infelizmente, a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados não o pauta há quase dois anos. Ele já está pronto para ser votado. Precisamos de uma resposta rápida”, destacou o deputado.

Wilson Filho defendeu ainda que mesmo sem a votação pela Câmara, é preciso preparar os jovens, as pessoas para trabalharem numa área de livre comércio. “É por isso que, durante o ano de 2017, nós conseguimos no Ministério da Educação, no Ministério do Trabalho, mais de 40 milhões de reais para qualificar adolescentes, jovens e adultos do nosso Estado”, disse.

Por meio da Secretaria de Educação da Paraíba, na gestão do Secretário Aléssio Trindade; da Secretaria de Desenvolvimento Humano, na gestão da Secretária Cida Ramos; do Projovem, do Pronatec, do Qualifica Brasil, o deputado disse que foi possível conseguir, ao lado da Universidade Federal da Paraíba, qualificar milhares de jovens que poderão ingressar no mercado de trabalho muito mais bem preparados.

Na ocasião, Wilson Filho destacou que outros temas são importantes para o desenvolvimento da Paraíba, como investimentos na área da educação. Ele destacou os projetos que criam o Instituto Federal do Sertão e a Universidade Federal Rural da Paraíba, com o objetivo de interiorizar a educação. “Precisamos de uma educação interiorizada para fazermos com que os estudantes tenham mais vagas à disposição deles de curso técnico e de curso superior”, disse.

Turismo – Nessa área, o deputado paraibano disse que é preciso ter um olhar mais atento. “A Paraíba tem o ponto mais oriental das Américas, que está caindo, está sendo destruído porque o poder público não toma uma iniciativa e não assume a responsabilidade. Colocamos, em 2011, quase R$ 7 milhões de reais para fazer a revitalização e a contenção da água do mar na Barreira do Cabo Branco para salvar o principal ponto turístico do Estado. E esse dinheiro não saiu do papel nem virou obra, infelizmente”, destacou.

Energia renovável – O deputado também frisou o potencial da Paraíba no setor de energia limpa. “A Paraíba tem um dos maiores potenciais do mundo de energia eólica, de energia solar, mas não tem locais para a venda da energia, ou seja, a energia que pode ser produzida em várias regiões do Estado não tem e não acha um local para ser colocada à disposição das empresas públicas e chegar à casa das pessoas. A energia seria muito mais barata, como é a realidade de grande parte do Rio Grande do Norte, da Bahia, do Tocantins”, disse.

De acordo com Wilson Filho, vários outros Estados não tinham sequer potencialidade para o setor da energia limpa, mas o investimento público, principalmente por parte do Governo Federal, os fizeram estar hoje entre os principais produtores dessa fonte energética. “Estas são bandeiras que sempre levantamos, mas neste ano e neste mês de março levantaremos para trazer a todos com profundidade”, finalizou.

Comentários