Delegado é afastado do cargo por postagem contra Marielle Franco

A Secretaria de Defesa Social (SDS) divulgou nota neste domingo (18), comunicando o afastamento do delegado Jorge Ferreira do plantão da Delegacia da Mulher. A decisão foi tomada por conta de declarações postadas pelo policial em uma rede social sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol/RJ), morta a tiros no dia 14 deste mês. Há apenas um mês, ele dava plantões na Delegacia da Mulher de Santo Amaro, sem exercer cargos de chefia ou coordenação na unidade.

De acordo com a nota, o conteúdo da postagem foi encaminhado à Corregedoria Geral da SDS, que iniciou uma investigação preliminar, na qual o servidor terá direito à ampla defesa e ao contraditório. “Até a conclusão do procedimento administrativo, o servidor ficará à disposição do setor de recursos humanos da PCPE”, diz o texto.

Ainda de acordo com a nota, o teor das afirmações é incompatível com o posicionamento do Governo, da Secretaria de Defesa Social e da Polícia Civil, “que prezam e focam todos os seus esforços na preservação da vida, proteção dos cidadãos, tolerância e paz social”. O texto é assinado pelo Governo do Estado de Pernambuco, Secretaria de Defesa Social de Pernambuco e Polícia Civil de Pernambuco.

Também foi por meio das redes sociais que o delegado Jorge Ferreira resolveu se defender sobre o assunto. Em um vídeo com cerca de dez minutos, o delegado disse não ter sido o autor da postagem. “Fui informado por um amigo sobre a publicação. Quando eu sair da rede social eu vi que tinham vários aparelhos logados na minha conta e eu nem sabia. Tinha inclusive um no Crato, mas eu nunca estive lá. Eu sai imediatamente de todos mas não sei como postaram isso”, enfatizou.

Ainda no vídeo, o delegado disse defender que antes das acusações sejam realizadas as investigações. “Eu tenho posturas políticas muito claras, todo mundo sabe. Eu sou a favor da lei, da ordem, do trabalho bem executado. O que eu venho postando e replicado é para fomentar a discussão porque defendo a ideia de que antes de se acusar se apure. Mal aconteceu o homicídio e já se começou a acusar a Policia Militar. Eu defendo que não, que seria interessante antes ver todas as possibilidades”, diz.

Já a Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (ADEPPE) divulgou uma nota afirmando que o post não é de autoria do referido Delegado. “Jorge Ferreira é um profissional responsável e extremamente dedicado à missão a que foi incumbido, na defesa dos direitos da mulher. Aqueles que o conhecem minimamente sabem que Jorge possui um temperamento completamente incompatível com o conteúdo chulo e grosseiro do texto publicado”, diz o texto. Por fim, a associação disse estar apurando como se deu a fraude perpetrada, se através de uma conta falsa ou se houve invasão da conta do delegado Jorge Ferreira.

A pré-candidata ao governo de Pernambuco pelo Psol, Dani Portela, por sua vez, divulgou nota de repúdio exigindo apuração imediata sobre supostas postagens de delegado Jorge Ferreira. “Não bastasse o assassinato de Marielle Franco, uma mulher negra e militante, algumas pessoas começaram a replicar nas redes sociais conteúdo falso, as famosas Fake News, com o objetivo de assassinar, dessa vez, a reputação de Marielle. Exigimos, diante da gravidade e da repercussão, a devida investigação da postagem e, caso se confirme autoria do delegado na produção do conteúdo, que ele seja punido dentro dos rigores da lei. É inadmissível que agentes públicos, que têm por objetivo servir à população, sejam instrumentos de propagação de ódio, difamação e mentiras. Principalmente quando ocupam espaços em que devem garantir a segurança das mulheres. Não iremos retribuir com a mesma moeda ataques que nada contribuem para o bem-estar social, mas exigimos uma apuração rigorosa dos fatos”, desrtaca na nota.

 

 

Correio Braziliense

Comentários