Delegada tem 10 dias para exumar corpo de Aryane e produzir novas provas

O processo nº 200.2010.0061395, que trata do caso do assassinato da estudante Aryane Thays Carneiro de Azevedo, retornou para a delegada Iumara Gomes, responsável pelas investigações, para exumação do corpo da vítima, conforme informações da escrivania do 1º Tribunal do Júri da Capital.  O pedido foi formulado pelo promotor Alexandre Varandas e acatado pela juíza substituta Ana Flávia de Carvalho, no dia 18 deste mês. A magistrada substitui o juiz José Aurélio da Cruz.

Depois que a delegada receber os autos, terá um prazo de 10 dias para a exumação do corpo da vítima e elaboração de relatório complementar ao inquérito. O objetivo da exumação é investigar se a jovem estava dopada no momento em que foi morta. O principal suspeito do crime é o estudante Luís Paes Neto, que continua preso, preventivamente, na carceragem da Central de Polícia de João Pessoa. 

A escrivania ainda informou que os autos, quando retornarem da delegacia, serão analisados pela juíza e, posteriormente, encaminhados ao promotor, que vai decidir se há provas suficientes para denunciar o suspeito Luís Paes Neto ou eventuais novos suspeitos do crime. 

Aryane, 22 anos, foi encontrada morta na BR-230, próximo à Via Oeste, no sentido Bayeux – João Pessoa, na manhã do dia 15 de abril. Segundo investigação policial, ela teria morrido asfixiada por estrangulamento. 

Luís Paes Neto foi indiciado pela delegada por homicídio qualificado. De acordo com o inquérito policial, ele foi visto conversando com Aryane e saiu com ela de carro horas antes da jovem ser assassinada.

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.