Coronavírus: Enfermeiro paraibano foi enterrado às pressas, mas sob aplauso

O sepultamento do enfermeiro paraibano Idalgo Moura dos Santos, 45 anos, aconteceu na tarde de ontem no Cemitério Jardim Santo André, em São Paulo, cidade onde trabalhava há 25 anos. Pela rapidez com quem o enterro teve que ser feito por determinação do hospital para diminuir o risco de contágio, a família não teve como comparecer. Ainda tentou proceder a cremação, mas não havia tempo suficiente para providenciar a documentação solicitada. Apenas o irmão, Agnelo, compareceu ao sepultamento que se deu com a caixão fechado. Quando o corpo de Idalgo desceu à sepultura, colegas de trabalho do Hospital Municipal de Tatuapé, onde o paraibano trabalhava e, infelizmente, morreu, o aplaudiram.

Idalgo era muito querido no ambiente de trabalho e muitos amigos e colegas transmitiram mensagens de pesar através do ParlamentoPB. Na família, a dor pela morte do “Negão”, como era carinhosamente apelidado, foi imensa.

Em seu perfil no Instagram, a jornalista Mafalda Moura escreveu um texto de despedida para o irmão e traduziu a tristeza da família Moura pela partida precoce de Idalgo.

 

Comentários