Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Congresso mantém veto de Bolsonaro ao orçamento impositivo

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Congresso Nacional aprovou nesta quarta-feira (4) os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao orçamento impositivo. Desta forma, o relator do orçamento de 2020, deputado Domingos Neto (PSD-CE), não tem mais o controle de R$ 30 bilhões.

Os únicos deputados a votarem contra o veto foram Bruna Furlan (PSDB-SP) e Rogério Correia (PT-MG). Como a maioria do Congresso já foi alcançada com os votos dos deputados, os senadores não votaram.

Na próxima terça-feira (10) devem ser votados projetos que dividem este valor meio a meio entre Executivo e Legislativo.

Três projetos de lei do Congresso Nacional (PLN) enviados pelo governo mudam a divisão da execução do orçamento. São R$ 15 bilhões sob responsabilidade do Executivo, R$ 10 bilhões sob a da Câmara e R$ 5 bilhões sob a do Senado.

Entenda o acordo
A iniciativa foi publicada na terça-feira em edição extra do Diário Oficial da União e faz parte de um acordo sobre o orçamento impositivo, que inicialmente deixava com o Congresso o controle dos R$ 30 bilhões, mas foi derrubado.

Na noite de terça-feira (3), Bolsonaro fez um comentário em redes sociais no qual negou qualquer negociação em cima dos R$ 30 bilhões e disse que a programação orçamentária original do governo foi 100% mantida.

“Não tem negócio de Parlamento branco. É Executivo lá cuidando das suas coisas e Legislativo das suas”, disse o presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) nesta quarta.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também comentou nesta quarta a fala do presidente e disse que ele estava certo. De acordo com ele, Bolsonaro não mentiu ao falar que a totalidade da verba original do governo continua com o Executivo.

O valor enviado pelo governo ao orçamento de 2020 foi de R$ 11 bilhões. Pelo acordo, esse valor seria excluído do manejo do relator do orçamento, deputado Domingos Neto.

No entanto, ainda ficariam sob a influência do Legislativo o valor acrescido por Domingos Neto (R$ 20 bilhões). Deste acréscimo, R$ 5 bilhões foram pedidos por ministros.

Na configuração final caso sejam aprovados os PLNs, o governo fica com R$ 15 bilhões, a Câmara com R$ 10 bilhões e o Senado com R$ 5 bilhões.

“O tuíte dele está 100% verdadeiro. Quando ele diz ‘o meu orçamento original está todo garantido’, é verdade. Ninguém nunca discutiu o orçamento original dele. Quando ele falou que o orçamento dele está 100% garantido, é verdade porque nós [Congresso] podemos em algum momento ratificar, modificar o que é encaminhado pelo Poder Executivo, isso pode e é legítimo, mas não foi feito, aprovamos 100% do orçamento do governo”, afirmou Maia.

Congresso em Foco

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

autismo-pl-condominio

Projeto de Lei proíbe multa a pais de filhos autistas por perturbação do sossego em condomínios

Escola 2

Ministério Público ajuíza ação para obrigar município de Conde a reformar escola

Chuvas em João Pessoa 3

Meteorologia prevê mais chuvas para João Pessoa e outros municípios nas próximas horas

Centro-Administrativo-pb-640x388

Repartições públicas estaduais terão ponto facultativo na quinta, dia de Corpus Christi

Chuvas e rede elétrica

Energisa alerta sobre riscos de choques elétricos em dias de chuva e dá dicas de segurança

Emerson Panta, prefeito de santa rita

MP dá dois dias para Emerson Panta suspender festa de São João estimada em R$ 10 milhões

Protesto na BR 101 2

Moradores protestam e fecham BR 101, na divisa da Paraíba com Pernambuco

Chuvas em frente a CBTU

Semob orienta população para evitar deslocamentos desnecessários hoje

pedroseggudo

Chuvas: Muro da Cagepa cai, apresentador tem carro alagado e capital vive caos

Câmara de Sumé

MPPB expede recomendação à Câmara de Sumé sobre cargos comissionados