Célia Chaves

Jornalista , Psicóloga, cursando pós-graduação em Psicanálise.


Como seguir sozinha?

Após quase um ano dedicado à pesquisa acerca da reconstrução da identidade feminina pós-separação conjugal, pairam dúvidas e reflexões envoltas a um universo, de fato, difícil de ser decifrado. A mulher carrega consigo enigmas que até Freud desistiu de desvendá-los. Imaginemos então como tudo isso se processa durante um período de desenlace matrimonial…

​ Na maioria dos casos, a decisão de separar parte, sim, da mulher. Ao perceber que a relação não vai bem, sobretudo nas nuances amorosas, ela é menos relutante no momento de se manifestar. Puxa a velha e conhecida DR, feliz ou infelizmente, para o bem ou mal de todos.

​ Nada fácil, claro, por envolver transformações e rearranjos de várias ordens. São mudanças logísticas, emocionais, financeiras e familiares, entrelaçadas a filhos, costumes, rotinas e vidas que andavam juntas. “Como seguir sozinha?”, eis a pergunta pronunciada por inúmeras mulheres, imersas ainda à fase de transição entre conjugalidade e individuação.

​ Constata-se, realmente, uma gradual reconstrução identitária. A mulher despe-se da identidade conjugal e apodera-se de uma individual. Enquanto a primeira formou-se à base das relações constituídas entre o casal, além de suas interatividades, a segunda é muito mais própria, fruto de longo e doloroso processo de autoconhecimento e aprendizagens.

​ São muitos sonhos e desejos ressignificados, até chegar à fase da aceitação e acomodação de situações. Luto, culpa, medo, tristeza, alívio, solidão, libertação, alegria, esperança e autonomia constituem alguns dos sentimentos predominantes entre o universo feminino . A culpa, em especial, castigou-as sem tréguas.

​ Algumas conseguiram culpabilizar-se por tudo e todos. Acusam-se por desejar romper o laço conjugal, e também ao não desejar. Na culpa, o ser humano sente-se endividado, prisioneiro de si próprio e dos outros. Sem liberdade, não consegue seguir, assumir o seu eu e reconstruir-se internamente. Portanto, melhor seria se evitássemos esse sentimento, seja no término de um relacionamento ou em qualquer outra situação.

​ Com relação ao luto, trata-se de um estado compreensível e até necessário, diante da perda de alguém querido, ou ao menos que um dia o foi. Passa a ser preocupante quando transforma-se em melancolia, uma dor mais cronificada, capaz de trazer adoecimentos físicos e mentais. É importante viver o luto, sem queimar etapas, para que ele não surja posteriormente, de maneira ainda pior.

​Enfim, entre dissabores e conflitos de várias naturezas, a mulher perpassa a fase da separação. Seria quase perfeito se, durante o matrimônio, a teia envolvendo o distanciamento afetivo guardasse certa simetria. Mas observou-se o contrário. Um quer, enquanto o outro nem tanto… Dificilmente, há um equilíbrio de quereres.

Essas assimetrias produzem dores latejantes, capazes de machucar igual doença crônica. Dói de forma diferente em cada ser, portanto, não há como homogeneizar e generalizar experiências. Basta apenas entender que o final de uma relação amorosa pode apresentar-se como espécie de morte em vida, por um já não existir na consciência do outro. E o “eu” conjugal nunca mais encontrar um lugar naquele casal, ou quem sabe um dia …

5 comentários

  • Claudia de França
    09:27

    Ótima análise!

  • Eugênia Chaves
    09:27

    Parabéns Celinha, muito bem conduzido o artigo. Produzido com tanta veracidade que quem já viveu a experiência pode se projetar nesse relato.

    • Francisca Fam
      09:27

      Gosto muito da forma que você escreve, uma linguagem de fácil compreensão. A mulher que já passou pelo processo de separação se encontra em cada frase do seu artigo! Parabéns pela sua forma afetuosa de falar de assuntos tão delicados.

  • Maria Luiza Gomes Seabra
    09:27

    Parabéns querida pelo artigo, é desse jeito que ficamos, quando ocorre uma separação.

  • Solange Bandeira
    09:27

    Parabéns CéliaChaves ,pelo artigo feito com tanto conhecimento verdadeiro, com carinho e respeito pelos cônjuges quando em processo de separação .

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.