Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Começa inspeção da Corregedoria Nacional nos MPs na Paraíba

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O corregedor Nacional do Ministério Público, Sandro José Neis, e sua equipe já estão na Paraíba, para cumprir um trabalho de inspeção nos Ministérios Públicos do Estado, Federal e do Trabalho. Na manhã de hoje, o corregedor participou de uma reunião com os promotores de Justiça e procuradores no auditório Edigardo Ferreira Soares, na sede da Procuradoria Geral de Justiça, quando fez uma breve explanação sobre o trabalho de inspeção e respondeu a questionamentos dos membros do MPPB.

A partir desta terça-feira, pela manhã, o corregedor com os membros auxiliares e servidores do  Conselho Nacional do Ministério Público começarão a receber a população que  tenha interesse de apresentar qualquer reclamação, denúncia, sugestões, ou mesmo, elogio ao trabalho da instituição. O atendimento ao público está programado para acontecer das 9h às 12h e de 14h às 17h30, no Auditório do Ministério Público da Paraíba.

Em entrevista coletiva concedida à imprensa local, Sandro Neis explicou que a escolha do Estado da Paraíba para a realização da inspeção não significa dizer que existem problemas nos Ministérios Públicos, mas trata-se do cumprimento de um calendário que a Corregedoria Nacional pretende realizar até o final do mandato do atual corregedor, que se dará no segundo semestre do próximo de 2011. Para o início deste ano, o CNMP aprovou a inspeção nos estados de Alagoas, Paraíba, que está sendo o segundo estado visitado, e do Pará.

“Nós não estamos investigando nenhuma denúncia específica, estamos sim fazendo uma verificação de todo o funcionamento, de toda estrutura de pessoal. Portanto, não só as promotorias de Justiça ou gabinetes dos procuradores serão inspecionados, mas também as questões relativas a administração da instituição como a regularidade da folha de pagamento, licitações, contratos, e tecnologia da informação. Ou seja, toda a estrutura funcional e administrativa das instituições. Não só os órgãos individuais, mas também os coletivos, como Colégio de Procuradores e Conselho Superior dos Ministérios Públicos”, esclareceu o corregedor Sandro Neis.

Sobre problemas detectados no primeiro momento, Sandro Neis disse que pôde verificar, em uma breve conversa com o procurador-geral de Justiça, Oswaldo Trigueiro do Valle Filho,  a questão das dificuldades financeiras, a partir das limitações orçamentárias porque passa o Ministério Público da Paraíba. Observou que esse não  “um privilégio do Estado da Paraíba, mas que os diversos estados passam pelo mesmo problema, o que faz com que os Ministérios Públicos não tenham condições de realizar concurso público para membros e servidores, de modo que, as Promotorias de Justiça, especialmente dos municípios menores ficam prejudicadas pela falta de servidores e promotores”.

Perguntado acerca de um procedimento de controle administrativo existente no Conselho Nacional do Ministério Público contra o MPPB, com relação ao número de funcionários à disposição da instituição, o corregedor nacional disse que essa é uma das missões da Corregedoria nessa inspeção. “Vamos verificar quais são essas requisições e qual a situação desses funcionários requisitados com suas repartições de origem. Ou seja, se são cargos comissionados, contratações temporárias e se o Ministério Público tem controle de nepotismo. Também vamos verificar se o Ministério Público paga remuneração extra e se essa remuneração não daria para pagar um servidor próprio da carreira do MP”, disse Sandro Neis.

Acrescentou que o posicionamento da Corregedoria Nacional com relação a requisição de servidor deve ser tratada como algo excepcional. “Existem algumas estratégias que favorecem um técnico ambiental vir trabalhar no Centro Operacional do Meio Ambiente, ou a integração de um policial no centro de investigação do MP. Mas isso não pode ser uma estratégia para superar carência institucional”, ressaltou.

Com relação a atuação dos Ministérios Públicos neste ano de eleição, o corregedor nacional explicou que a postura do Conselho Nacional é para que as instituições atuem com reservas. “Para a imprensa isso não deve ser muito agradável, mas que existem momentos de investigação que a divulgação acaba trazendo prejuízo para a própria instituição”, explicou Sandro Neis.

“Os MPs devem ter um bom relacionamento com a imprensa e só repassar informações para dizer que fez alguma coisa e não que vai fazer alguma coisas. Esse vai fazer é muito complicado no aspecto institucional, na medida que a intenção do promotor acaba não se concretizando. O membro do Ministério Público trabalha com provas e, se a prova não chega ao seu conhecimento, fica inviabilizada a medida que ele planejava. Então o promotor não deve antecipar que vai fazer alguma coisa e, tampouco, deve atuar com suposições e agressões a pessoas, ferindo inclusive a honra e a imagem das pessoas”, alertou.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

f6e0316c-7fcf-455c-97a6-45997afb091b

Relatório de Efraim à PEC que criminaliza o porte de drogas é aprovado no Senado

camaradiasdavila

Vereadores de município baiano aprovam reajuste de R$ 0,46 para professores

chuvasjp (2)

João Pessoa tem média de 29 mm de chuvas em 24 horas, mas sem ocorrências graves

alpbabre (1)

ALPB garante acompanhantes para mulheres em procedimentos médicos com sedação

odonecico

Sancionada Lei que proíbe fogos de artifício com estampido em João Pessoa

1713220734661dac7e30ef1_1713220734_3x2_lg

Unimed manda cancelar plano de saúde de idosa de 102 anos

alph-ufpb (1)

Caso Alph: Ex-namorada é julgada pela morte de estudante da UFPB

Unimed JP 1

Unimed JP abre seleção para médicos atuarem em unidade de serviço domiciliar

Gervásio Maia, deputadoo

Projeto de Gervásio quer garantir fornecimento gratuito de repelentes para inscritos no CadÚnico

Vitor Hugo e Wallber Virgolino

Vitor Hugo diz que se Wallber entrar em bairro de Cabedelo será metralhado; deputado reage