Com tumulto, Câmara inicia sessão para debater eleição da Mesa em Cabedelo

A praça em frente à Câmara de Cabedelo está repleta de populares que portam cartazes de protesto à eleição da atual presidente do poder legislativo municipal, Geusa Ribeiro, para o biênio 2019/2020. Além disso, um carro de som “anima” os populares, convocados a participar mais uma vez através de um áudio em que uma suposta auxiliar do prefeito interino Vítor Hugo conclama os detentores de cargos comissionados e outros moradores da cidade a defenderem o gestor.

A presidente da Câmara também divulgou um áudio convidando os cidadãos e cidadãs a acompanharem a sessão de hoje na qual deve ser apreciada a polêmica resolução que afastou da composição da futura mesa os vereadores presos e escolheu seus substitutos. Ontem, por força de uma liminar, a nova composição foi suspensa.

Dentro da Câmara, a sessão começou por volta das 20 horas. A segurança está sendo por homens das polícias Civil e Militar.

Acompanhe a sessão

“Vamos analisar a proposta do vereador Pereira, de criar um 13º para os vereadores e outros assuntos que entrarem na pauta. Soubemos que houve manifestação orquestrada por alguns secretários do município para levar pessoas para pressionarem os vereadores e estão querendo anular um ato que ocorreu dentro do Regimento da Casa. O prefeito interino está usando pessoas que têm contrato no município, obrigando eles a se revoltarem contra um projeto que os próprios vereadores aprovaram”, disse Janderson Brito.

Em questão de ordem, o vereador Evilásio Cavalcanti pediu a revogação da ata da sessão que aprovou a resolução cujo objetivo foi afastar os parlamentares presos e substitui-los por titulares. A presidente da Câmara tentou explicar que não poderia ser feita a apresentação de requerimento através de questão de ordem.

“Solicito ao primeiro vice-presidente que explique o regimento porque alguns vereadores não compreendem”, disse Geusa.

Do lado de fora, podiam ser ouvidos gritos de “É Vítor Hugo, é Vítor Hugo!”.

Comentários